Elon Musk intima ex-chefe de segurança do Twitter a depor

Elon Musk intimou o ex-chefe de segurança do Twitter a depor no caso jurídico entre o bilionário e a rede social (Photo by Michael Gonzalez/Getty Images)
Elon Musk intimou o ex-chefe de segurança do Twitter a depor no caso jurídico entre o bilionário e a rede social (Photo by Michael Gonzalez/Getty Images)
  • Denúncias de Peiter “Mudge” Zatko se tornaram públicas no último dia 23;

  • Twitter está em meio a uma batalha jurídica para o cumprimento do acordo entre a empresa e Elon Musk;

  • Recentemente a rede social se envolveu em outra polêmica após funcionários serem presos por espionagem.

O ex-chefe de segurança do Twitter, Peiter “Mudge” Zatko, foi intimado por Elon Musk para depor no processo entre o bilionário e seu antigo empregador. "Mudge" ganhou proeminência ma mídia recentemente ao denunciar falhas graves de segurança nos procedimentos da empresa.

A intimação coloca Zatko no centro da briga legal entre os dois titãs da tecnologia. Seu depoimento está marcado para acontecer no dia 9 de setembro.

Segundo John Tye, fundador da Whistleblower Aid e advogado de Zatko, não houve nenhuma espécie de contato entre seu cliente e Elon Musk antes das denúncias. Tye afirmou ainda que a decisão de vir a público foi feita antes de qualquer tipo de envolvimento entre o Twitter e o bilionário.

As divulgações de Zatko, arquivadas na SEC e obtidas pela primeira vez pelo The Washington Post e pela CNN, fizeram inúmeras alegações de procedimentos de segurança negligentes e práticas intencionalmente enganosas.

Entre as alegações feitas nos documentos, Zatko alega que o Twitter conscientemente minimizou o nível de atividade de bots na plataforma – algo que Musk citou como um motivo central para tentar desistir do acordo para comprar a empresa.

Outra acusação de Zatko é de que os funcionários do Twitter tinham fácil acesso a importantes sistemas da plataforma, que podiam ser manipulados para fins políticos, ou ainda manipulados por agentes estrangeiros ou hackers.

Recentemente o Twitter se viu em meio a outra polêmica, em que dois de seus ex-funcionários foram presos nos Estados Unidos por servirem como agentes de espionagem da Arábia Saudita.

O CEO do Twitter, Parag Agrawal, contestou as alegações de Zatko, classificando-as como uma “narrativa falsa” em um e-mail enviado à equipe e declarações enviadas à mídia.

No entanto, muitas vozes importantes no campo da segurança cibernética saíram em defesa do histórico de Zatko, como veterano jornalista de segurança cibernética Kim Zetter, que afirmou que “provavelmente não há nenhum executivo de segurança com mais ética, mais credibilidade do que Mudge”.