De Elza Soares a Antunes Filho: Sesc Digital exibe mais de dez mil itens do acervo

O universo de Antunes Filho, um dos mais importantes diretores e dramaturgos brasileiros, é destaque na programação do Sesc Digital, plataforma do Sesc SP que disponibiliza mais de dez mil itens de seu acervo de registros que vão desde peças de teatro a shows, passando por outros espetáculos, reprodução de obras de arte, publicações, programas do SescTV, álbuns do Selo Sesc, receitas, palestras e bate-papos, além de conteúdos inéditos.

A iniciativa, segundo o diretor do Sesc, Danilo Miranda, visa a transpor as ações da instituição ao ambiente e à linguagem digitais.

— Já existia uma coisa aqui e outra ali em nosso site, mas nada comparável ao que temos agora, com esta dimensão. Lançamos a plataforma logo no início de abril, corremos muito para digitalizar com qualidade o nosso conteúdo. Algo novo, especial e além do permanente. Fortalece, assim, seu compromisso com um processo educativo participativo, continuado e inclusivo — diz.

‘O teatro segundo Antunes Filho’

No início de maio entrou no ar uma mostra de espetáculos, na íntegra, de Antunes Filho, um ano depois da sua morte. “Antígona” (2005), “Policarpo Quaresma” (2010) e “Toda nudez será castigada” (2012) são alguns dos títulos.

O programa mostra o início da carreira de Antunes Filho, sua infância, as influências do cinema e do teatro amador, os detalhes da passagem pela TV e a parceria com Ziembinski e famosos encenadores italianos no Teatro Brasileiro de Comédia.

— Trata-se de uma homenagem ao Antunes por ocasião do primeiro aniversário de sua morte (2 de maio). A série “O teatro segundo Antunes Filho” é um mergulho ao universo do diretor, revela suas técnicas e identifica suas colaborações no desenvolvimento do teatro brasileiro — explica Danilo Miranda.

Elza Soares, Tony Allen e mais música

Uma grande aposta é o show da cantora Elza Soares, gravado no Sesc Pinheiros com repertório baseado no álbum “A Mulher do fim do mundo”, que venceu o Grammy Latino 2016 na categoria Melhor Álbum de Música Popular Brasileira e outros prêmios.

Um dos pais do afrobeat ao lado de Fela Kuti, o baterista nigeriano Tony Allen se apresentou no Sesc Pompeia em 2013, e a performance foi liberada semana passada.

— Tem feito muito sucesso também as nossas lives com artistas que normalmente estão em nossa programação, de Zeca Baleiro a Monica Salmaso, sempre às 19h — informa o diretor do Sesc.

Chico Buarque, bate-papo literário e lives

A plataforma Sesc Digital é dividida por categorias para facilitar a busca. Entre os conteúdos literários, um dos mais procurados é o programa "Super Libris" (episódio "Os Ritmos da Prosa"), que abre a segunda temporada da série SescTV, dirigida por José Roberto Torero, com Chico Buarque explicando como encontra a música em seu texto.

Outro destaque vai para a palestra de Mário Augusto Medeiros da Silva, “Pesquisa em Foco — Literatura Negra e Periférica no Brasil (1960-2000)”, que foca no protagonismo literário de Carolina Maria de Jesus, Paulo Lins, Ferréz e do coletivo Quilombhoje Literatura.

De circo e artes visuais a filmes sobre futebol

No ambiente virtual ainda tem dança, circo, artes visuais, esportes, arquitetura, turismo, meio ambiente, cidadania e muito mais.

A relação da sociedade com o futebol está em pauta na série “Cores do futebol”, que reúne curtas-metragens de países como Argentina, Brasil, Coreia do Sul, Espanha, Irã, México e Taiwan.

Gravado em 2015 durante o Festival Internacional Sesc de Circo, o documentário “Circo é... Circo!” investiga a história do circo, diferencia os conceitos tradicional e contemporâneo, analisa a formação dos artistas, mostra vertentes distintas e levanta a questão do risco inerente ao ofício, abordando ainda a figura do palhaço.

Ainda sobre circo, a companhia australiana Circa, dirigida por Alice Muntz, com montagem de Juliana Munhoz, une técnicas circenses e dança no espetáculo “Circos 2014 – S”.

No campo das artes visuais, a versão on-line da 12ª edição da “Bienal Naïfs do Brasil” (2014) exibe 106 obras selecionadas das cinco regiões do país, além de fotopinturas escolhidas pelo curador Diógenes Moura.