Em 'Éramos seis', Adelaide chega a São Paulo e viverá em pé de guerra com Emília

Desde que recebeu uma carta de Adelaide (Joana de Verona) avisando que voltaria ao Brasil, Emília (Susana Vieira) não pensa em outro assunto. Chegou a mandar Justina (Julia Stockler) para Itapetininga, a fim de não surpreender a filha caçula, que estudou a vida inteira em escolas da Europa e poderia se incomodar com o comportamento peculiar da irmã.

Mas quem vai mesmo se surpreender é Emília. Durante anos, a tia rica de Lola (Gloria Pires) projetou a imagem de Adelaide como uma mulher elegante, inteligente e que seria motivo de orgulho para a família diante da sociedade paulistana. De fato, ela é elegante e inteligente. Mas não da maneira como Emília imaginou. Algumas de suas atitudes vão deixar sua mãe de cabelos em pé e não agradarão em nada os amigos da família.

Pouco antes de chegar ao Brasil, Adelaide passa a noite bebendo e jogando com homens que acabara de conhecer. Uma atitude não esperada para mulheres da década de 1930. Chega no porto de calças compridas, uma vestimenta que não frequentava ainda os armários femininos e apresenta à mãe um dos colegas de jogatina como o homem com quem passou a noite. Higino (Thiago Justino), mordomo da família, acha graça. Mas Emília fica irritada já ali.

Em casa, viverão em pé de guerra. A mãe implicará com as leituras feministas de Adelaide; com sua maneira de agir, livre de regras sociais; e as duas discutirão principalmente pelo afastamento que Emília impõe entre as filhas.

As cenas estão previstas para irem ao ar a partir desta sexta-feira, dia 29.