Em 2020, índice de roubos e homicídios despencaram em Niterói, aponta ISP

Giovanni Mourão
·3 minuto de leitura

NITERÓI — Marcado pela pandemia do novo coronavírus e a consequente queda de circulação de pessoas nas ruas, 2020 registrou uma redução expressiva nos indicadores de criminalidade em Niterói. Foi o ano com os menores índices de roubos de rua, roubos de veículos e homicídios de toda a série histórica do Instituto de Segurança Pública (ISP), iniciada em 2003. O número de roubos de carga foi o mais baixo desde 2017, enquanto os registros de autos de resistência caíram para o menor nível desde 2014.

Em relação a 2019, a taxa de homicídios — incluindo latrocínios — caiu pela metade: de 110 para 52. Os roubos de rua também apresentaram queda de 50%, indo de 3.396 ocorrências para 1.704. Os roubos de veículo tiveram queda ainda mais acentuada, despencando de 1.331 em 2019 para 500 em 2020, o que representa um declínio de 62%.

Apesar da concentração de casos na Zona Norte, também houve menos roubos de carga do que em 2019: de 164, o número de registros baixou para 122, 25% a menos.

Os 48 autos de resistência (mortes causadas por policiais em serviço) registrados em 2020 também refletem uma queda brusca no indicador, que acumulou 125 ocorrências no ano anterior, representando uma redução de 61%.

Segurança Presente

De acordo com o coronel Sylvio Guerra, comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM), há pouco mais de dois anos, “os resultados positivos de Niterói são fruto de um trabalho integrado com a prefeitura que vem sendo exercido desde 2019”.

— Além do trabalho conjunto com o Niterói Presente e com as forças de segurança da prefeitura, o acompanhamento diário dos números feito pelo batalhão para que exista uma dinâmica maior de policiamento certamente fez toda a diferença. A menor circulação de pessoas nas ruas devido à pandemia também pode ter ajudado um pouco na queda de alguns números — acredita Guerra.

Queda em toda a cidade

A queda nos índices foi detectada em todas as cinco delegacias da cidade. A 78ª DP (Fonseca), responsável pela Zona Norte, foi campeã de ocorrências em praticamente todos os indicadores de criminalidade citados, exceto nos autos de resistência. Com 691 roubos de rua no ano passado, a região somou 40% dos 1.704 casos de Niterói.

Os demais roubos de rua se distribuíram da seguinte forma: 499 registrados na 76ª DP (Centro), 216 na 77ª DP (Icaraí), 197 na 81ª DP (Itaipu) e 101 na 79ª DP (Jurujuba).

A 78ª DP acumulou 285 roubos de veículo; e a 81ª DP, 65 na Região Oceânica, de sua competência. A 79ª DP, que responde por Pendotiba, teve 58 casos; a 76ª DP somou 57 na região central; e a 77ª, 35 ocorrências na Zona Sul, sua região de abrangência, totalizando os 500 crimes dessa natureza.

Dos 122 roubos de carga, 90 foram registrados na 78ª DP (que cobre as principais rodovias estaduais que cortam a cidade, além da BR-101), 11 na 76ª DP; dez na 77ª DP, nove na 79ª DP e dois na 81ª DP. Dos 52 homicídios computados, 25 foram para a 78ª DP, nove para a 76ª DP, oito para a 81ª DP, seis para a 79ª DP e quatro para a 77ª DP.

Nos autos de resistência, quem lidera é a 79ª DP, com 15. A 77ª DP vem logo em seguida, com 12, enquanto a 78ª DP anotou dez. Completam a lista a 76ª DP, com seis casos; e a 81ª DP, com cinco.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)