Em 2022, bilionários 'empobreceram'. Mas um ricaço viu sua fortuna engordar em US$ 40 bi

Elon Musk perdeu alguns bilhões este ano com a derrocada das ações da Tesla, sua principal empresa. Mark Zuckerberg também viu sua fortuna encolher. Mas um bilionário "ficou de boa" em 2022. O indiano Gautam Adani teve, na verdade, um ano espetacular.

Ele se tornou a pessoa mais rica da Ásia, destronando o também indiano Mukesh Ambani, e ocupa agora o terceiro lugar no ranking global da Bloomberg, com uma fortuna de US$ 116 bilhões, atrás do francês Bernard Arnault e de Elon Musk.

2023 crítico: Musk aconselha evitar dívidas, fazer reservas de caixa, prevendo um ano difícil na economia

Mega-Sena da Virada: Saiba como é feita retirada do prêmio, que subiu para R$ 500 milhões

Enquanto a maioria dos bilionários perdeu dinheiro, ele adicionou US$ 40 bilhões ao seu patrimônio líquido em 2022.

Como o empreendedor de primeira geração, que iniciou carreira como comerciante de diamantes em Mumbai na década de 1980 e começou a ganhar fortuna com carvão, conseguiu isso?

A crise de energia deste ano, que fez os preços dispararem, foi um grande impulso. Mas sua onda de aquisições foi outra: Adani foi o empresário da Ásia que mais fechou negócios este ano.

Ele comprou ativos, incluindo as unidades da Holcim Ltd. na Índia, um porto em Israel e montou uma bem-sucedida aquisição hostil da emissora NDTV, uma das poucas organizações na Índia a criticar o governo.

Tesla: Ações da fabricante de carros elétricos têm maior perda desde 2018. Queda foi de 11% em um dia

As ações das empresas Adani não ficaram imunes ao amplo número de liquidações impulsionadas pelo aumento da inflação e uma economia mais fraca, mas, no geral, os papeis do grupo subiram, impulsionando a ascensão do empresário indiano.