Em 2022, cesta básica subiu até 18%

A cesta básica ficou mais cara ao longo de 2022 em 17 capitais brasileiras, chegando a altas de até 18% em algumas delas. E o trabalhador precisou comprometer 60% do salário mínimo em dezembro para comprar os itens. É o que apontam os resultados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgados nesta segunda-feira.

Dependência do estado: Governo já responde por 16% da renda dos brasileiros

Bolsa Família: 'Vamos atualizar o cadastro único e nada de pente-fino' diz Wellington Dias

As altas mais expressivas, na comparação de dezembro de 2021 com dezembro de 2022, foram registradas Goiânia (17,98%), Brasília (17,25%), Campo Grande (16,03%) e Belo Horizonte (15,06%). Veja a seguir os valores das cestas básicas nas capitais:

Goiânia: 17,98%

Brasília:17,25%

Campo Grande: 16,03%

Belo Horizonte:15,06%

Belém: 14,83%

São Paulo: 14,60%

Rio de Janeiro: 12,98%

Fortaleza: 12,94%

Porto Alegre: 12,11%

Florianópolis: 11,55%

Curitiba: 11,17%

Natal: 10,35%

Salvador: 10,13%

Vitória: 10,09%

João Pessoa: 9,99%

Aracaju: 8,99%

Recife: 6,15%

Apesar de a cidade de Goiânia registrar o maior aumento percentual, é na capital paulista onde a cesta básica chegou ao maior valor: chegou a R$ 791,29, o maior valor entre as 17 cidades onde o Dieese realiza o levantamento.

Entenda: Salário mínimo de R$ 1.320: crescimento de aposentadorias dificulta novo valor

A pesquisa aponta ainda que o trabalhador remunerado pelo piso nacional precisou comprometer cerca de 60,22% do salário mínimo para adquirir os produtos da cesta básica. Em dezembro de 2021, a média foi de 58,91%.

Leite, pão e café mais caros

O levantamento mostra ainda que 8 dos 13 produtos que integram a cesta básica subiram de preço em todas as capitais este ano, em relação ao ano passado. São eles: leite integral, pão francês, café em pó, banana e manteiga, farinha de trigo, batata e farinha de mandioca. Já o óleo de soja subiu em 16 cidades e o arroz em 15.

De infraestrutura ao combate à informalidade: Especialistas listam os principais desafios do novo governo

Os preços dos alimentos tem pesado no orçamento das famílias. Os alimentos ficaram mais caros, subindo bem mais que a média da inflação. Sgundo dados do IBGE, a inflação de alimentos acumulada alta de 10,91% até novembro de 2022 - o dobro da inflação acumulada no ano, que é de 5,13%.