Em ação de ex-atleta do basquete, Justiça determina penhora da taça da Libertadores do Vasco

·1 minuto de leitura

Em ação do ex-atleta do basquete cruz-maltino Nick Okorie, a Justiça Trabalhista pediu a penhora do troféu da Libertadores de 1998 do Vasco. A decisão é do juiz Ronaldo Santos Resende, da 78ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1).

O ala-armador norte-americano, que teve breve passagem pelo clube entre 2018 e 2019, cobra salários atrasados, FGTS, verbas recisórias e outros valores relativos à saída do clube. O valor gira em torno dos os R$ 64 mil.

Além da penhora da taça, a ação mirava o bloqueio de valores a ser recebidos pelo clube. Procurado, o Vasco informou que não se manifesta sobre ações em andamento.

Vitorioso no início dos anos 2000, o basquete adulto do Vasco, então paralisado, foi retomado em 2016, com a disputa da Liga Ouro, divisão de acesso ao NBB. Depois de sagrar o acesso à elite nacional, o cruz-maltino disputou três temporadas, até encerrar o projeto, em 2019, por falta de recursos financeiros. Okorie foi uma das últimas contratações do clube no período.