Em aceno ao eleitorado feminino, Lula defende recriar Ministério das Mulheres

Ex-presidente Lula em São Paulo

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O ex-presidente e candidato do PT ao Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que vai recriar o Ministério das Mulheres e defendeu que os homens --inclusive os que se dizem progressistas-- têm de repartir tarefas domésticas com as mulheres, em um aceno ao eleitorado feminino.

"Nós vamos recriar o Ministério das Mulheres, vamos criar os ministérios dos povos originários para que a gente possa ter pessoas sempre marginalizadas no Ministério, a gente vai recriar o Ministério da Pesca", disse ele, durante visita ao Casarão das Quebradeiras de Coco em São Luís, no Maranhão.

Durante o evento, Lula afirmou que não quer "tirar nada de ninguém", mas quer que "cada um tenha o mínimo necessário". "Direito ao respeito, trabalho, salário, a uma casa, sobretudo as mulheres que são vítimas de violência seculares", destacou.

O petista disse que há homens que se dizem progressistas, mas não dividem tarefas com as mulheres.

Na quinta-feira, em uma agenda de campanha em Belém, Lula cometeu uma gafe ao dizer que trabalho doméstico é "serviço de mulher".

PROPAGANDA

O programa de Lula na TV no sábado à noite fez um contraponto ao presidente Jair Bolsonaro (PL) ao criticar a falta de políticas para o segmento e mostrar manchetes que apontam um aumento da violência contra as mulheres nos últimos anos. Na peça há a participação da atual mulher de Lula, a socióloga Rosângela Silva, a Janja, que pede uma "oportunidade" ao ex-presidente.

O programa cita medidas que o ex-presidente pretende implementar, caso eleito, como creches e escolas em tempo integral, e a volta de um Bolsa Família forte no próximo ano, de 600 reais, com o acréscimo de 150 reais por filho até 6 anos de idade. Mostra também realizações de Lula voltadas às mulheres durante seus governos.