Em aniversário do 11 de setembro, Biden relembra unidade norte-americana e promete vigilância

Por Nandita Bose

WASHINGTON (Reuters) - O presidente norte-americano, Joe Biden, relembrou a resposta unida dos Estados Unidos aos ataques de 11 de setembro de 2001 pela Al Qaeda e prometeu "nunca desistir" diante de ameaças terroristas em uma celebração solene neste domingo, no Pentágono.

As observações de Biden sobre a unidade nacional no 21º aniversário dos ataques contrastam com suas advertências nos últimos dias sobre divisões perigosas na sociedade norte-americana, incluindo que alguns republicanos que apoiam a agenda do ex-presidente Donald Trump representam uma ameaça à democracia.

"Espero que nos lembremos de que, em meio a esses dias sombrios, nós demos duro. Cuidamos um do outro. E nos unimos", disse Biden, enquanto a chuva caía sobre as tropas atrás dele.

Quase 3.000 pessoas morreram nos ataques em 2001, quando terroristas da Al Qaeda sequestraram e lançaram aviões em direção às torres do World Trade Center de Nova York e no Pentágono em Arlington, Virgínia, enquanto um quarto avião caiu na Pensilvânia.

O aniversário ocorre um ano depois que Biden encerrou a guerra liderada pelos EUA no Afeganistão, iniciada há duas décadas para erradicar o grupo Al Qaeda, que realizou os ataques de 11 de setembro após tê-los planejado no Afeganistão.

(Tradução Redação Brasília, 55 11 5047-2695; REUTERS BC)