Em ato na Paulista, Doria volta a falar sobre impeachment de Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
SÃO PAULO, SP - 12.09.2021 - João Dória em Ato organizado pelo MBL e Vem pra Rua, na avenida Paulista, pedindo a saída do presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress, PODER) ORG XMIT: 592359
SÃO PAULO, SP - 12.09.2021 - João Dória em Ato organizado pelo MBL e Vem pra Rua, na avenida Paulista, pedindo a saída do presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress, PODER) ORG XMIT: 592359

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria, voltou a falar sobre o impedimento do presidente Bolsonaro. Sob aplausos e ofensas, ele subiu no palanque do MBL, na avenida Paulista, no ato contra o presidente deste domingo (12).

"O que pode salvar o Brasil é o exercício da democracia. Seja pelo impeachment de Bolsonaro, seja pelo voto em 2022". Doria apoiou pela primeira vez o impeachment de Bolsonaro nessa semana, após as ameaças golpistas do presidente no ato do 7 de Setembro

O governador paulista elogiou os manifestantes, chamando-os de "corajosos defensores da democracia brasileira".

Doria repetiu por diversas vezes a palavra "democracia", puxou gritos de "fora Bolsonaro" e "vamos mudar outra vez".

Ele levou uma bandeirinha do Brasil e pulou e dançou em cima do palanque.

O governador lembrou que esteve presente nos movimentos das Diretas Já e comparou o momento com a manifestação na Paulista. "Não tínhamos em 1984 a internet, mas tínhamos coração, vontade de mudar o Brasil."

Sob gritos de "democracia", ele pediu que o manifestantes dessem "exemplo a quem é jovem e não viveu a ditadura militar".

Falando sobre uma de suas bandeiras, Doria exaltou o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 em São Paulo. "É a vacina que salva. E foi São Paulo quem foi buscar a vacina em vez de comprar cloroquina."

Algumas poucas pessoas chegaram a pedir Doria na presidência. Ele ainda disse que o Brasil precisava olhar para os mais pobres e também que o ato era "só o começo".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos