Em autobiografia, Príncipe Harry diz que não foi padrinho de casamento do irmão William

A cada parágrafo, uma nova revelação. A autobiografia do príncipe Harry, "Spare", só chega oficialmente às livrarias na terça-feira. Mas as passagens explosivas do livro não param. Segundo o "Daily Mail" deste sábado, o marido de Meghan Markle alega no livro que não foi padrinho de casamento do príncipe William com Kate Middleton, em 2011, e que tudo não passou de uma "mentira deslavada". Ele conta que foi obrigado a fazer o papel de padrinho e que os melhores amigos do irmão, James Meade e Thomas Van Straubenzee, fizeram o discurso tradicional na recepção.

Outros conflitos entre os príncipes são descritos na autobiografia: Harry alega alega ter sido agredido pelo irmão, William, durante uma briga por causa de Meghan Markle, em 2019. William teria chamado Megham Markle de "rude" e "difícil" o que levou a uma briga física. No polêmico livro, o príncipe Harry também também coloca parte da culpa por ter usado um traje nazista, em 2005, no príncipe William e Kate Middleton. Segundo o livro, o casal real aprovou e "caiu de tanto rir".