Em carta, governadores pedem a Bolsonaro esforço 'imediato' para comprar mais vacinas

Gustavo Schmitt
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO - Governadores de 14 estados encaminharam ao presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (4) uma carta em que pedem "imediata adoção de providências" para compra de vacinas contra Covid-19 junto a outros países e entidades internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS).

No texto, os chefes dos executivos estaduais dizem que as medidas que tomaram para tentar conter o avanço da doença estão "próximos do exaurimento" e que a pandemia "seguirá ceifando vidas, ameaçando, desafiando e entristecendotodos nós". Nesse sentido, dizem os governadores, "a vacinação em massa, com a maior brevidade possível, é a alternativaque se afigura como a mais recomendável".

Como medidas que tomaram nas últimos semanas, os governadores citam criação de novas vagas de UTI, contratação de profissionais de saúde, compra de equipamentos para hospitais e adoção de medidas de distanciamento social. Capitais populosas, como São Paulo e Rio, anunciaram a adoação de restrição à circulação de pessoas nos últimos dias. "Os Entes Federados têm envidado todos os seus esforços, mas estão no limite de suasforças e possibilidades", diz o texto.

Assinam a carta os governadores de Alagoas, Renan Filho (MDB); Amapá, Waldez Goés (PDT); Bahia, Rui Costa (PT); Ceará, Camilo Santana (PT); Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB); Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM); Pará, Hélder Barbalho (MDB); Paraíba, João Azevêdo (Cidadania); Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); Piauí, Wellingon Dias (PT); Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT); Rio Grade do Sul, Eduardo Leite (PSDB); e Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD).