Em coletiva no Maranhão, Bolsonaro errou ao falar sobre opinião pública

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Jair Bolsonaro em entrevista no Maranhão, em 14 de julho de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
Jair Bolsonaro em entrevista no Maranhão, em 14 de julho de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
  • Na última quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro concedeu uma entrevista em uma coletiva de imprensa no Maranhão

  • Na ocasião, ele afirmou que não há redutos de candidatos nos estados e que a população brasileira reconhece que a crise econômica é um problema mundial

  • Dados de pesquisas de opinião, no entanto, contradizem as informações mencionadas

Na última quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro (PL) participou de eventos no Maranhão, dentre eles, respondeu a questionamentos em uma coletiva de imprensa. Confira análise da reportagem do Yahoo! Notícias acerca das declarações do presidente.

Redutos eleitorais

"A recepção [no Maranhão] foi excepcional para mim, graças a Deus. E em qualquer lugar do Brasil não existe reduto desse ou daquele candidato, desse ou daquele partido"

Presidente Jair Bolsonaro em coletiva de imprensa no Maranhão, em 14 de julho de 2022

Diferentemente do que afirma o presidente, de acordo com pesquisas eleitorais recentes, há sim uma preferência por determinados candidatos nos estados.

Conforme a Genial/Quaest realizada na Bahia, 62% pretendem votar em Lula, enquanto 19% dizem optar por Bolsonaro.

Já em Minas Gerais, segundo o Datafolha, o ex-presidente Lula tem 48% de intenções de voto, já Bolsonaro apresenta 28%.

Um levantamento feito pela consultoria Vector Research, publicado pela revista Veja, apontou vantagem de Lula em 12 estados, sobretudo no Norte e no Nordeste. O apoio ao presidente Bolsonaro se destacou em 8 estados, havendo maior domínio no Centro-Oeste e no Sul do país.

Responsabilidade sobre a economia

"Eu entendo que há um reconhecimento da população não somente na questão da economia, que eles entendem que o mundo todo sofreu com isso"

Presidente Jair Bolsonaro em coletiva de imprensa no Maranhão, em 14 de julho de 2022

De acordo com uma pesquisa do Datafolha de março de 2022, 75% dos brasileiros atribuem a Bolsonaro a responsabilidade pela alta na inflação. Desses, 37% veem muita responsabilidade e 38% veem um pouco. Já 22% acreditam que o presidente não tem responsabilidade alguma e 3% não souberam responder.

Segundo o mesmo levantamento, 68% consideram Bolsonaro responsável pela alta no preço dos combustíveis. Os que veem muita responsabilidade são 39%, enquanto 29% veem um pouco. Um total de 30% acredita que o presidente não tem responsabilidade alguma e 2% não opinaram.

Outras declarações do presidente no Maranhão foram analisadas pela reportagem do Yahoo! Notícias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos