Em conversa com senador, Bolsonaro defende que CPI da Pandemia investigue também governadores e prefeitos

Eliane Oliveira
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Em conversa divulgada neste domingo pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), o presidente Jair Bolsonaro defende que a CPI da Pandemia no Senado investigue também governadores e prefeitos. O objetivo da comissão, que teve a instalação determinada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), é investigar as eventuais omissões do governo federal no combate ao coronavírus. Um requerimento que pede a extensão da apuração para gestores estaduais e municipais já foi apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

— Se não mudar objetivo da CPI, vai vir só pra cima de mim — disse Bolsonaro, acrescentando em outro trecho. — O que tem que fazer para a CPI ser útil para o Brasil: mudar amplitude dela, bota governadores e prefeitos.

A conversa telefônica foi divulgada nas redes sociais e, segundo o senador, ocorreu na noite de sábado.

Kajuru é um dos autores da ação que levou à decisão do STF, na última quinta-feira. Ao anunciar a divulgação do diálogo, Kajuru afirmou que teve com o presidente da República uma conversa "clara e honesta" e que não aceita CPI da Covid política e revanchista. Disse que tanto ele como o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) querem investigar os demais entes da federação.

— É uma CPI completamente direcionada à minha pessoa — disse Bolsonaro a Kajuru.

—Não, presidente. A gente pode convocar os governadores. Não abro mão de ouvir os governadores em hipótese alguma. Só não quero que o senhor me coloque no mesmo joio —afirmou Kajuru.

Bolsonaro voltou a defender que, para convocar governadores e prefeitos, é preciso mudar o objetivo da CPI, tornando-a mais ampla. Caso contrário, a comissão parlamentar de inquérito será criada para ouvir apenas o governo federal.

— Se não mudar o objetivo da CPI, ela vai para cima de mim. Tem que fazer do limão uma limonada. Por enquanto é o limão. Você tem que peticionar o Supremo para colocar em pauta o impeachment (inaudível) — ressaltou o presidente.