Em crise desde a tragédia de Mariana, Samarco acorda mediação com credores

Em audiência de conciliação nesta terça-feira, a Samarco e seus credores concordaram com a proposta do juiz Adilon Cláver de Resende de iniciar um processo de mediação na Justiça, disse a empresa. As duas partes interessadas terão de apresentar um cronograma de trabalho e regras de governança da mediação a definir até 4 de julho.

Consultoria: CSN estuda comprar mineradora Samarco, que entrou em recuperação judicial após tragédia de Mariana

Bondades: Auxílio de R$ 400 para caminhoneiros e aumento do vale-gás ganham força entre governo e Congresso

ANP: Diesel sobe pela terceira semana seguida nos postos

A Samarco ficou impossibilitada de pagar suas dívidas após o rompimento de barragem de resíduos em 2015, que matou 19 pessoas e quase destruiu duas vilas em Mariana, Minas Gerais.

A empresa interrompeu a produção e demorou até dezembro de 2020 antes de poder reiniciar parcialmente as operações. Ela listou cerca de R$ 50 bilhões em dívidas inadimplentes em seu pedido de recuperação judicial de abril de 2021.

Troca-troca: "É tentar culpar a empresa pelos aumentos de preço", avalia professora da FGV

A mediação será conduzida pela Cejusc Empresarial da Comarca de Belo Horizonte, determinou o juiz Cláver de Resende.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos