Em dia de operações contra tráfico e milícia, 30 presos e até açougue fechado

·3 minuto de leitura

Às vésperas do carnaval, o Estado do Rio viu, ontem, um desfile de operações das polícias Civil e Militar na capital e em Maricá, que resultaram em 30 prisões. Também aconteceram tiroteios: em Madureira, traficantes e milicianos que disputam o controle de uma favela voltaram a entrar em confronto, com a PM mais uma vez intercedendo para tentar colocar fim a uma guerra que se intensificou a partir do ano passado.

O maior número de prisões foi registrado nas comunidades do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, e Pombo Sem Asa, em Vargem Grande. A força-tarefa da Polícia Civil que combate milícias levou para o xadrez 14 suspeitos de envolvimento em negócios explorados pela quadrilha que atua nos dois bairros da Zona Oeste.

Carnes de origem duvidosa

Vários estabelecimentos comerciais foram fechados, inclusive um açougue do Terreirão que, de acordo com investigadores, vendia carnes e outros produtos retirados de caminhões atacados em estradas. O dono é um ex-policial militar que, em 2019, foi preso sob a acusação de participar de roubos de cargas na Baixada Fluminense.

— Vamos continuar atacando o braço financeiro da milícia — disse o delegado Felipe Cury, titular do Departamento Geral de Polícia Especializada, acrescentando que também foram interditadas lojas de roupas falsificadas e oficinas ilegais de instalação de kit-gás.

Em Maricá, o alvo foi o que o delegado chamou de narcomilícia, bando formado por traficantes e paramilitares. Policiais civis prenderam 11 suspeitos e detiveram cerca de cem pessoas. Elas acabaram sendo liberadas, mas deverão prestar depoimentos ao longo dos próximos dias. Houve apreensão drogas, armas e celulares durante o cumprimento de 49 mandados de buscas.

Segundo uma investigação, a narcomilícia tomou conta de duas comunidades e um conjunto habitacional de Maricá.

Capturado em viaduto no Centro

No Centro do Rio, policiais civis prenderam David Edson Fernandes Lins, conhecido como Duas Bocas, acusado de comandar o tráfico de drogas no Morro da Providência e de ser um dos chefes da maior organização criminosa do estado. Ele e outros quatro bandidos estavam em um comboio de carros quando agentes da 24ª DP (Piedade) os abordaram, no Elevado Trinta e Um de Março.

Parte do bando, que havia saído em quatro carros do Morro da Coroa, na divisa entre os bairros do Rio Comprido e de Santa Teresa, conseguiu escapar. Mas, além de prenderem cinco de seus integrantes, os policiais encontraram quatro pistolas, 19 carregadores, balas, granadas e radiotransmissores nos dois veículos que ocupavam. A Polícia Militar deu apoio à operação.

Em Madureira, houve uma outra operação, mas, neste caso, a PM se viu obrigada a fazê-la. Assim como na semana passada, bandidos do Morro do Cajueiro tentaram invadir o da Serrinha — comunidade que é disputada por duas milícias e uma facção do tráfico. O confronto teve início ainda na noite de quarta-feira, mas foi no decorrer da madrugada que ganhou grandes proporções.

A Polícia Militar ocupou uma área entre as duas comunidades, mas o tiroteio não diminuiu e foi marcado por uma grande quantidade de disparos de balas traçantes. Atingido, um homem está hospitalizado.