Em discurso de vitória, Kalil prega união em Belo Horizonte

FERNANDA CANOFRE
·2 minuto de leitura
BELO HORIZONTE, MG, 15.11.2020 - ALEXANDRE-KALIL: Alexandre Kalil (PSD) discursa sobre sua reeleição para comandar a Prefeitura de Belo Horizonte, confirmada por números do TSE pouco depois das 22hrs, neste domingo (15). (Foto: Fernanda Canofre/Folhapress)
BELO HORIZONTE, MG, 15.11.2020 - ALEXANDRE-KALIL: Alexandre Kalil (PSD) discursa sobre sua reeleição para comandar a Prefeitura de Belo Horizonte, confirmada por números do TSE pouco depois das 22hrs, neste domingo (15). (Foto: Fernanda Canofre/Folhapress)

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Depois de horas de espera, devido ao atraso nos dados divulgados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), com 84,8% das seções totalizadas e 63,5% dos votos para ele, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) do seu apartamento para falar com jornalistas em uma praça no bairro de Lourdes.

Kalil disse que agora será hora de união da cidade, que irá chamar os comerciantes para serem ouvidos e que não quer polarizar eleição, porque se aproxima um período de chuvas, que pode ser duro para a capital mineira.

"É com muita humildade que recebe esse estupendo resultado, um resultado amplo, um resultado consagrador", afirmou ele em seu discurso, lembrando que sua campanha não teve muitas agendas.

"Não tem agora direita, não tem negócio de esquerda, não tem nada. Vamos continuar governando para quem precisa", reforçou ele, ecoando posição de sua primeira eleição.

Kalil disse que um novo fechamento da cidade não está nos planos, mas que não terá medo de tomar as medidas caso seja necessário. Ele disse ainda que a hora agora é do comércio e, eleito, ajudará quem quase quebrou.

Sobre a possibilidade de deixar o mandato para concorrer ao governo de Minas Gerais em 2022, o que nomes do seu partido ventilaram com a votação conquistada por ele neste domingo, Kalil disse que não assume compromisso com ninguém.

"Eu garanto que quando eu sentei (na presidência) do Atlético-MG, eu não pensei na prefeitura, e quando eu sentei na prefeitura, não pensei em governo de Minas. Agora, eu não faço compromisso com ninguém, nem com uma poda de árvore. Mas vamos fazer o que for preciso, o que for melhor para Belo Horizonte", afirmou ele.

Sobre a demora para a divulgação dos números em BH, ao final da coletiva, Kalil, que é ex-cartola do Atlético-MG, brincou: "Estou acostumado a sofrer 90 minutos com o Atlético, agora sofrer três horas é a primeira vez".