Em doze dias, quatro mulheres foram vítimas de feminicídio na Rocinha; moradores criam campanha para combater violência

De 29 de dezembro até a última segunda-feira, quatro mulheres foram mortas vítimas de feminicídio na comunidade da Rocinha, na Zona Sul do Rio. O último caso registrado foi o de Daniela Soares, de 29 anos, encontrada baleada na cama. Antes dela, outras três sofreram a mesma violência brutal: Carmem Dias da Silva, Francisca Analice Mendes e Estephany Alves de Paiva foram assassinadas.

A quantidade de mortes de mulheres por companheiros em tão pouco tempo na favela levou os moradores a criar uma campanha de combate à violência e conscientização dos homens. O encontro será realizado no próximo sábado, a partir das 16h, na Biblioteca Parque da Rocinha (Estrada da Gávea, 454), na região da Cachopa. Pelas redes sociais, os moradores convidam a população em geral para participar do evento e tratar saídas para acabar com a violência contra as mulheres na comunidade.

Daniela Soares foi baleada na cama pelo ex-companheiro Rios Loureiro Sablich. A jovem foi resgatada ainda com vida pelo Corpo de Bombeiros à 1h55 em casa. Ela foi levada para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, mas não resistiu aos ferimentos. Rios confessou ter matado Daniela. Ele se entregou na Cidade da Polícia nesta segunda-feira, horas após o crime, teve a arma usada apreendida e também foi preso em flagrante. O feminicídio é investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC).

O caso ocorreu menos de 24 horas depois do assassinato da auxiliar de serviços gerais Carmem Dias da Silva, de 29 anos, morta a facadas pelo ex-namorado, Wendel Luka da Silva Virgílio, de 25, também na comunidade de São Conrado, Zona Sul do Rio.

Antes, há menos de duas semanas, na madrugada de 29 de dezembro, familiares de Francisca Analice Ferreira Mendes, de 20 anos, e de Estephany Alves de Paiva, de 19, encontraram as jovens mortas em uma casa na comunidade. Estephany estava deitada na cama com um corte profundo no pescoço e Analice estava de bruços, deitada no chão do banheiro, com uma faca de serra na mão. Um dia depois, Armando Mendes, de 23 anos, marido de Analice foi preso suspeito de cometer o crime.

Segundo a irmã de Analice, Silmara Mendes, as duas eram amigas de infância e se conheceram no Ceará, na localidade de Caveira, terra natal das duas. Elas estavam juntas no Rio recentemente. Analice se mudou no início do ano passado e Estephany há pouco mais de dois meses. As duas planejavam passar o ano novo juntas.