Em Duque de Caxias, falta vacina até para a segunda dose e sobra desorganização

Flávio Trindade
·1 minuto de leitura

Se por um lado há disputa sobre quais regras devem valer na capital fluminense, em municípios vizinhos, como Duque de Caxias, onde não foram adotadas medidas restritivas para conter o coronavírus, impera a desorganização também na campanha de vacinação. Na terça-feira, por volta das 3h, moradores da cidade da Baixada Fluminense, a maioria idosos, já aguardavam em longas filas.

Na Praça de Imbariê, sobrava aglomeração e faltava organização. E, para completar, pouco antes das 9h, funcionários da prefeitura anunciaram que só tinham recebido 500 doses do imunizante contra a Covid-19, o que provocou grande revolta entre a multidão, fazendo guardas municipais se mobilizarem. Uma parte das pessoas continuou no local ao longo do dia na esperança de ser vacinada.

Na semana passada, o mesmo problema aconteceu na Praça de Imbariê, quando também faltaram vacinas para o público-alvo da campanha. A dona de casa Iara Santos Vieira, de 70 anos, cuja segunda dose estava marcada para o último dia 14, já tentou três vezes ser imunizada:

— É muito triste o que estão fazendo com os idosos. Cheguei aqui às 4h da manhã e fiquei cinco horas na fila à toa. Muita confusão nos postos, ninguém dá uma posição para a gente. Eu já tomei a primeira dose com atraso. Estou com medo de que a vacina perca a validade.

O Ministério Público estadual já cobrou do prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (MDB), que ele cumpra o calendário de vacinação previsto no Plano Nacional de Imunização (PNI). A Prefeitura de Duque de Caxias afirmou que adota o protocolo do Ministério da Saúde e que tem como objetivo aumentar o alcance da imunização à medida da chegada de novas doses da vacina.