Em entrevista à ELA, Isabel relembrou relação com o filho, Alison, adotado aos 13 anos

A atleta do vôlei de praia Isabel Salgado, que morreu nesta quarta-feira (16) em decorrência da síndrome aguda respiratória do adulto (SARA), uma condição clínica rara, relembrou, em exclusiva à ELA em 2020, como foi o processo de adoção de um de seus cinco filhos, Alison.

"Eu sempre quis adotar. Sabia que o Alison era negro. Mas para mim era indiferente. Havia espaço em mim para adotar outro filho. Não amei o Alison direto, quando olhei para a cara dele. Não o conhecia. Foi uma relação construída. De prazer, diálogo e as cobranças normais que toda mãe faz mesmo", declarou Isabel, acrescentando que chegou a mandar o filho para a Inglaterra, pra estudar inglês.

Ela ainda contou que Alison - atualmente com 21 anos - morou durante três meses em sua casa, com a namorada, mas que agora, o rapaz mora na casa da família dela. Relembrou, ainda, sobre sua intensa ligação com os outros filhos: Pedro, Pilar, Carol e Maria Clara.

"Sou muito ligada nos meus filhos, e vi com prazer a barriga crescer, mesmo sendo uma atleta e competindo. Tinha 19 anos quando levei a primeira filha, Pilar, com um ano para Modena, Itália. Fui pelo vôlei para o Japão com meus quatro filhos, a cozinheira e o filho dela. Estar em família sempre me estimulou", disse.