Em funeral na Cisjordânia, palestinos dizem adeus ao líder Saeb Erakat

Nasser ABU BAKR
·2 minuto de leitura
Saeb Erakat em 26 de novembro de 2007 em Washington
Saeb Erakat em 26 de novembro de 2007 em Washington

Os palestinos se despediram nesta quarta-feira (11) de Saeb Erakat, um de seus líderes mais emblemáticos e negociador em múltiplos processos de paz com Israel, morto por coronavírus na terça-feira.

O secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) foi enterrado em Jericó, a cidade onde vivia, na Cisjordânia, território palestino ocupado desde 1967.

Centenas de palestinos se deslocaram para homenageá-lo, todos protegidos com máscaras.

Abas Zaki, membro do Fatah, o partido político de Erakat, elogiou a figura de um "patriota valente que realizou missões difíceis".

Erakat sofria de graves problemas pulmonares e faleceu aos 65 anos em um hospital israelense de Jerusalém. Ele foi internado com urgência dias antes, com uma grande falta de ar, após ser diagnosticado com covid-19.

Seu corpo foi transferido na terça-feira para Ramallah, nos territórios palestinos, onde foi celebrada uma cerimônia oficial antes de seu enterro.

Personalidades políticas lideradas pelo presidente Mahmud Abbas e o primeiro-ministro Mohammed Shtayyeh, prestaram-lhe homenagens na Muqata, sede da Autoridade Palestina, em uma cerimônia que coincidiu com o 16º aniversário da morte de Yasser Arafat, líder histórico da causa palestina. Erakat e Arafat foram colaboradore próximos.

- "Fim de uma era" -

Erakat participou de praticamente todos os processos de paz com Israel, paralisados desde 2014, e foi um dos rostos palestinos mais conhecidos internacionalmente, graças a seu inglês perfeito, às suas declarações contundentes, a sua defesa apaixonada da causa de seu povo e a seu espírito aberto ao diálogo.

Foi visto como um dos potenciais sucessores do presidente palestino, Mahmud Abbas, de 85 anos, que lamentou a morte de "um irmão, um amigo, um grande lutador".

"A morte de Saeb Erakat marca o fim de uma era, uma era na qual os palestinos tentavam negociar uma solução pacífica para seu conflito. Ele encarnava esta era, com todas essas esperanças e frustrações", considerou Rob Malley, ex-conselheiro dos presidentes americanos Bill Clinton e Barack Obama, e atualmente presidente da consultoria International Crisis Group (ICG), com sede em Washington.

O presidente israelense, Reuven Rivlin, e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu foram procurados pela AFP, mas não comentaram sua morte.

Durante anos, Erakat, que sempre se definiu como um "homem de paz", assistiu impotente à desintegração do sonho de um Estado palestino independente, em meio ao avanço das colônias, à violência, ou à falta de vontade internacional.

cgo/bfi/jvb-bl/mb/aa/tt