Em Goiânia, geladeira comunitária oferece comida gratuita aos moradores de rua

Um empresário de Goiânia (GO) teve uma ideia simples e que está ajudando muitas pessoas necessitadas na cidade. O projeto, chamado de “Geladeira Solidária”, mantém um refrigerador na Rua 7, no centro da capital goiana, e conserva os alimentos doados.

É preciso respeitar algumas regras para manter a qualidade dos alimentos. (Reprodução/G1)

A ideia foi de Fernando Barcelos, que certo dia estava voltando do trabalho e encontrou uma moradora de rua com um recém-nascido. A cena o sensibilizou. “Estava saindo do trabalho e vi uma mulher com um recém-nascido pedindo comida. Eu dei durante três dias. Em casa, vi na internet que tinham feito isso [colocado geladeiras nas ruas] na Holanda e na Arábia Saudita e resolvi fazer aqui também. Espero que seja a primeira de muitas, que outras pessoas vejam e façam o mesmo em outros lugares”, contou ele em entrevista ao G1.

Assim como regiões centrais de outras áreas urbanas, o local é conhecido por abrigar muitos moradores de ruas; alguns usuários de drogas pesadas, como o crack. Mas, de acordo com Barcelos, a ideia está dando certo e a movimentação na Rua 7 tem sido grande.

O empresário frisou que a finalidade é lembrar as pessoas do quanto é desperdiçado diariamente, enquanto muitos não têm o que comer. “Nós jogamos fora quase um terço do que consumimos em um ano. Isso é muita coisa. Se tivermos noção de que outras pessoas que não têm nada precisam de alimento, talvez o desperdício seja menor”, disse.

LEIA TAMBÉM
Google lança campanha de arrecadação de fundos para crise dos migrantes
Boxeador britânico faz ação para ajudar refugiados na Grécia
Clubes europeus se movimentam para ajudar refugiados

“É uma ideia inovadora, melhor que dar dinheiro. Já me ajudou quando eu estava com fome. Comi uma pizza aí esses dias, estava muito boa”, completou o morador de rua Washington Gomes, de 43 anos, que também revelou à reportagem que os albergues e abrigos de Goiânia já estão todos lotados. “As pessoas ficam com receio, não ajudam muito.”

Para controlar a qualidade dos alimentos, algumas regras foram adotadas: as embalagens precisam estar fechadas, dentro do prazo de validade e com data de fabricação, e não é permitido colocar bebidas alcoólicas, ovos ou carne crua no refrigerador.

Até donos de restaurantes da região estão ajudando a “Geladeira Solidária”. Agora, Fernando Barcelos espera que as pessoas tenham a mesma compaixão que ele e, além de contribuirem para a causa, façam o possível para que ela continue lá, na Rua 7.