Em jantar, Alcolumbre e Maia pedem para Mandetta resistir e não sair do cargo

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

BRASÍLIA -Após os ataques públicos do presidente Jair Bolsonaro ao ministro Luiz Henrique Mandetta, os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fizeram um apelo para que o comandante da Saúde resista e não sai do cargo.

Ambos disseram a Mandetta que o ministro tem o apoio da sociedade e também do Congresso e, de acordo com relatos, afirmaram que cabe ao presidente da República assumir o ônus por tomar a decisão de demiti-lo.

Leia também

Os três jantaram na residência oficial do Senado, nesta quinta-feira, horas depois de Bolsonaro ter feito as declaração à rádio Jovem Pan. Antes da conversa, Alcolumbre, Maia e Mandetta assistiram juntos ao trecho em que o presidente disse, entre outras coisa, que estaria “faltando humildade” ao auxiliar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O encontro foi revelado pela coluna Radar, da revista “Veja”, e confirmado pelo GLOBO, terminou por volta da 1h30 da madrugada. Alcolumbre já estava falando com o ministro por telefone quando resolveu chamar Maia para se juntar aos dois.

A avaliação dos chefes do Legislativo foi a de que Bolsonaro “demitiu Mandetta ao vivo”. O ministro voltou a dizer que a situação está insustentável e que os constantes ataque públicos do presidente têm “minado” toda a equipe do Ministério da Saúde.

Mandetta, de acordo com os relatos, teria dito que, no momento em que a pasta precisa se dedicar ao controle da pandemia do novo coronavírus no país, ele está gastando energia com uma disputa de narrativa.