Em lançamento de campanha, Bolsonaro diz que país não quer corrupção e defende comparações

Presidente Jair Bolsonaro durante comício em Juiz de Fora

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente e Jair Bolsonaro (PL) disse nesta terça-feira que o Brasil não quer mais corrupção e defendeu que se faça comparações entre a sua gestão e às passadas, numa referência indireta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em seu primeiro discurso após o início oficial da sua campanha à reeleição.

"Nosso país não quer mais corrupção, quer ordem e prosperidade, façam comparações do nosso governo", disse, sob os gritos de "Lula ladrão" dos simpatizantes.

"Vocês já sabem o que foram três anos e meio do meu mandato, mas sabem que poderemos fazer muito mais por vocês", destacou ele, em discurso em cima de um trio elétrico em Juiz de Fora (MG), cidade onde sofreu um atentado a faca durante a campanha eleitoral de 2018.

O presidente vai buscar enfocar comparações com Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto ao Palácio do Planalto.

A primeira fala de Bolsonaro como candidato oficial da coligação PL-PP-Republicanos ocorreu na cidade do interior de Minas Gerais, exatamente no local em que ele foi alvo do atentado perpetrado por Adélio Bispo de Oliveira. Segundo investigações oficiais, o agressor agiu sozinho --Bolsonaro sempre contestou isso.

O presidente afirmou que tem gratidão por Minas Gerais e pela confiança e esperança de quem acreditou nele. Em linha com seus motes de campanha, ele exaltou a defesa da propriedade privada, defendeu "cada vez mais" a liberdade de imprensa do povo -- pesar dos sucessivos ataques que faz aos profissionais de comunicação-- e afirmou esperar que "amanhã ninguém nos proíba de falar de Deus".

"Sou uma pessoa exatamente igual a qualquer um de vocês", disse. "Podem ter certeza, jurei pela minha pátria enquanto militar, enquanto cidadão juro de novo dar a vida pela nossa liberdade. Podem ter certeza, onde o povo estiver, eu estarei", emendou.

Bolsonaro frequentemente e sem provas acusa adversários de defenderem o fechamento de igrejas. O presidente, que é católico, tem buscado apoio de eleitores evangélicos e participado com regularidade de eventos dessas denominações religiosas. Na cidade mineira nesta terça, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que é evangélica, também discursou e foi bastante ovacianada pelos apoiadores do presidente.