Em lançamento da chapa com Santa Cruz, Neves direciona críticas a Freixo: ‘Rio não pode correr esse risco’

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Em uma estratégia para acirrar a disputa por votos com Marcelo Freixo (PSB), o pré-candidato do PDT ao governo do Rio, Rodrigo Neves, e seu vice, Felipe Santa Cruz (PSD), reiteraram as críticas ao adversário, hoje à frente nas pesquisas de intenção de voto, pontuando a falta de experiência dele em funções no Poder Executivo. Ao lado do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), Neves e Santa Cruz anunciaram na manhã desta terça-feira a aliança, em um evento no Centro do Rio.

Leia também: Após indicar voto em Molon, Paes muda o tom e diz que PSD avalia apoio a Ceciliano na disputa pelo Senado

Governo: Pesquisa aponta empate técnico entre Castro e Freixo; veja os números

Neves, ex-prefeito de Niterói, e Santa Cruz, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), fecharam um acordo na quarta-feira – até então, o advogado também era pré-candidato ao cargo. Com a dificuldade do correligionário em subir nas pesquisas, Paes mudou a estratégia e levou o PSD para a chapa do PDT.

— Freixo nunca exerceu uma função no Poder Executivo, seja municipal, estadual ou federal. Com todo respeito ao Freixo, o Estado do Rio de Janeiro, não pode correr esse risco. Há um conjunto de lideranças políticas com a convicção de que Freixo é um candidato facilmente batido. O resultado contra Crivella (em 2020) diz muito sobre as limitações e a rejeição que ele tem – afirmou Neves. — A aliança que tem a capacidade de salvar o Rio de Janeiro da tragédia dos anos recentes. O Rio é uma estrada esburacada em precipício, a gente não daria um carro para quem nunca dirigiu.

Em sintonia com Neves, Paes deu início ao evento ressaltando que não há nada definido nas eleições estaduais e declarou que o Rio não suporta mais “amadorismo” e não pode mais errar.

Senado: Romário lidera corrida pelo Senado no Rio; na esquerda, Molon tem 11%, e Ceciliano, 5%. Veja os números da Genial/Quaest

— Sem nenhum tipo de ataque pessoal de tentar ofender fulano ou beltrano, mas nós vivemos um momento altamente complicado. Para resolver o quadro precisamos de mais habilidade política – disse Paes que, em seguida, elogiou a experiência e preparo de Neves.

Nas últimas pesquisas divulgadas, Felipe Santa Cruz atingia a margem de dois a três pontos percentuais. Na coletiva, o ex-presidente da OAB justificou a desistência como “não abrir mão do Rio de Janeiro”.

— Rodrigo tem um diferencial. Há um governador que vem de um estado que não existe, onde a segurança melhorou, o estado está rico e as pessoas estão felizes. Quero dizer as pessoas que estavam acreditando no projeto que a partir de hoje vamos como um só. Eu tenho certeza absoluta que Rodrigo Neves será o futuro governador do estado do Rio — declarou Santa Cruz.

E esta não é a única mudança que pode modificar a disputa eleitoral no Rio de Janeiro. Para o Senado Federal, a definição entre Molon e Ceciliano que se alastra há meses pela coligação PT-PSB pode tomar um novo rumo. O prefeito Eduardo Paes deve declarar apoio ao pessebista nos próximos dias. O ex-secretário municipal de saúde e pré candidato a deputado federal, Daniel Soranz, disse que Molon é um bom nome, mas disse não ter posição. No evento, Carlos Lupi declarou que a chapa ainda não tem posição definida.

— Molon não está definido nessa aliança, Paes manifestou seu desejo pessoal — disse o presidente do PDT.

Em relação ao cenário nacional e o recente apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Paes desconversou.

— Vou concentrar o dia de hoje naquilo que pra mim é mais importante: as eleições estaduais — disse.

"Outsider"

Em entrevista ao GLOBO em maio deste ano, Neves disse que a eleição deste ano não era para um “outsider”, em referência indireta a Santa Cruz. Nesta manhã, ele alterou o tom:

— Não falei sobre o Felipe, disse que a eleição não era para outsider, mas a experiência dele na OAB foi fantástica.

No evento de lançamento da chapa, nomes como Marta Rocha, José Bonifácio e David Miranda estiveram presentes. Durante a concentração do evento, o deputado federal Renan Ferreirinha (PSD) demonstrou otimismo com o anúncio da chapa. Para ele, Neves e Santa Cruz possuem “chance real de ganhar” a disputa para o governo do Rio.

— Fazendo um cálculo de projeção, eles tinham cerca de 12 pontos percentuais nas pesquisas separados. Ainda tem muita água para rolar, o gesto do Felipe foi de extrema grandeza — disse Ferreirinha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos