Em live, Paes diz que 'se Deus quiser em janeiro a gente começa a vacinar'

O Globo
·3 minuto de leitura
Reprodução

RIO - Um dia após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, estimar que as primeiras vacinas contra a Covid-19 estejam disponíveis para distribuição e aplicação na população brasileira em meados de fevereiro de 2021, o prefeito eleito do Rio, o Eduardo Paes, diz que espera começar a imunização no município em janeiro do ano que vem. A declaração foi dada numa live transmitida no perfil de Paes no Instagram. Ele afirmou que provavelmente na semana que vem dará mais detalhes do plano que tem para combater a pandemia:

- Se Deus quiser em janeiro a gente começa a vacinar. Vamos priorizar pessoal da Saúde, priorizar servidor da Educação para que a gente possa voltar a ter aula para as nossas crianças. Quer dizer, tem um conjunto de desafios importantes mas que eu tenho a certeza que sem a parceria da população é impossível.

O prefeito eleito descartou um lockdown no Rio e defendeu o "auto lockdown".

- Eu quero repetir aqui: essa é uma realidade, está aí, o vírus voltou com força. Acho que todo mundo que está assistindo aqui conhece alguém que está com o vírus, alguém que infelizmente veio a falecer em razão do coronavírus. Então, eu não acredito que a gente conseguirá (fazer) lockdown e essas coisas, acho que não tem mais espaço para isso. Mas as pessoas têm que ter compreensão. Pessoas mais velhas: esses têm que fazer o seu auto lockdown, não dá pra ficar sassaricando por aí. Tem que ficar em casa - disse.

Ele destacou a importância de medidas como uso da máscara, manter o distanciamento social e evitar aglomerações:

- É muito importante que a gente tenha a cultura de entender esse momento difícil.

Durante a live, Paes afirmou ainda que pretende trabalham em conjunto com o o governador Cláudio Castro e o presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, "não importa se as pessoas gostam ou não gostam".

- O governador e o presidente foram eleitos, assim como eu fui eleito. E a nossa obrigação como homens públicos, com responsabilidade, é trabalhar em parceria com os demais níveis de governo - afirmou.

O prefeito eleito contou que em reunião com Bolsonaro na última terça-feira, em Brasília, os dois conversaram sobre a imunização contra a Covid-19:

- Tratamos um pouco dessa história da vacinação do coronavírus. Enfim, obviamente todos nós temos uma expectativa muito grande que esse plano nacional de imunização de fato vá em frente. Nosso time já está trabalhando em conjunto. A gente tem conversado com diversas frentes mas o ideal é que a gente possa participar desse plano nacional de imunização dada a experiência do Brasil nessa questão da imunização.

Paes também disse que o "tempo está muito apertado" para a transição - ele citou que geralmente esse processo leva cerca de dois meses e, agora, está acontecendo em três semanas - e pontuou que o momento é para olhar para o futuro e não reclamar do passado.

- O tempo está muito apertado para essa transição, mas o fato de a gente conhecer a prefeitura bem, saber os espaços, isso permite que a gente tenha mais agilidade, apesar do enorme desafio. De novo: não preciso nem dizer a situação que a gente está encontrando. Quero repetir aqui algo que eu tenho dito: nós não vamos ficar aqui perdendo tempo reclamando do passado, do Crivella, porque a população decidiu que o Crivella tinha que ir para casa no último dia 29 de novembro. Então, nosso papel é assumir a prefeitura e cuidar que a gente olhe para frente - disse.

O prefeito eleito contou que vai a São Paulo nesta quinta para conversar com um grupo de investidores:

- É muito importante que os investidores percebam que o ambiente econômico aqui vai mudar, que a cidade vai estar aberta a investimentos. Que nós vamos respeitar os marcos legais. Enfim, que vamos tentar desburocratizar. Essa vai ser uma das grandes inovações. É um um desafio. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico vai também se chamar de simplificação.