Em livro, Claudia Raia fala da perda precoce da virgindade aos 13 anos: 'Ainda chupava chupeta escondida'

·1 minuto de leitura

Lançado nesta semana, o livro de memórias de Claudia Raia, "Sempre Raia um novo dia", tem sido elogiado pela sinceridade com que a atriz fala sobre sua trajetória, dos romances até brigas nos bastidores. Num dos trechos da obra, a estrela da TV fala sobre a perda precoce da virgindade. Ela conta que, ainda na adolescência, se mudou sozinha para os Estados Unidos, onde estudou e trabalhou, e teve sua primeira relação sexual com o namorado de sua irmã na época, 19 anos mais velho que ela.

"Sei que a ideia de uma menina tão jovem com um homem tão mais velho não apenas causa um grande desconforto como, desde 1990, tipifica crime de estupro de vulnerável. Aos 13, eu fumava, transava e me achava totalmente madura. Realidade: ainda chupava chupeta escondida", relata Claudia no livro.

E foi nos Estados Unidos também que a atriz foi assediada pelo pai da família da casa em que vivia na cidade de Nova York: "A violência física, o abuso e a tentativa de abuso sexual é um trauma para a vida. Você se sente impotente, frágil. Por último, vem um sentimento contra o qual toda vítima tem que lutar: a culpa. Me senti desamparada.".