Em Londres, Zelenskiy ganha promessa de treino de pilotos em caças da Otan

Primeiro-ministro do Reino Unido, Rish Sunak, cumprimenta presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, em frente à residência oficial de Downing Street, em Londres

Por Pavel Polityuk e Muvija M

KIEV/LONDRES (Reuters) - O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visitou o Reino Unido nesta quarta-feira para angariar ajuda, ganhando a promessa de treino para pilotos ucranianos em caças avançados da aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), um grande passo simbólico no apoio militar ocidental.

Londres foi sua primeira parada em apenas sua segunda viagem ao exterior desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro do ano passado. Um diplomata da União Europeia disse que Zelenskiy viajaria na quinta-feira para Bruxelas, onde a UE está realizando uma cúpula.

"O Reino Unido foi um dos primeiros a ajudar a Ucrânia. E hoje estou em Londres para agradecer pessoalmente ao povo britânico por seu apoio e ao primeiro-ministro Rishi Sunak por sua liderança", postou Zelenskiy nas redes sociais, com uma foto dele e de Sunak no aeroporto de Stansted.

Zelenskiy também vai se encontrar com o rei Charles 3º, discursar no Parlamento e visitar tropas ucranianas que treinam no Reino Unido.

"A visita do presidente Zelenskiy ao Reino Unido é uma prova da coragem, determinação e luta de seu país, e uma prova da amizade indestrutível entre nossos dois países", disse Sunak em um comunicado.

O gabinete de Sunak anunciou sanções adicionais à Rússia, bem como planos para acelerar o fornecimento de equipamento militar a Kiev. Pela primeira vez, a Força Aérea e os fuzileiros navais da Ucrânia serão incluídos no programa de treinamento britânico.

"O treinamento garantirá que os pilotos sejam capazes de pilotar sofisticados caças padrão-Otan no futuro", afirmou.

Isso pareceu sinalizar uma mudança notável no apoio ocidental, já que os países até agora se abstiveram de fornecer caças ou outras armas capazes de atingir profundamente a Rússia.

O comunicado não deu prazo para o treinamento, e autoridades britânicas disseram que ensinar pilotos a usar jatos britânicos leva anos. Mas o primeiro compromisso desse tipo sinaliza o endosso de um relacionamento de segurança de longo prazo com Kiev e pode abrir caminho para que aliados enviem aviões.

No mês passado, o Reino Unido foi o primeiro país ocidental a prometer tanques de guerra avançados a Kiev. Ofereceu apenas 14, mas em duas semanas os Estados Unidos e os aliados europeus prometeram vários, encerrando meses de debate.

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, que foi alvo de duras críticas por suposta lentidão na aprovação de entregas de tanques, disse que o fornecimento de armas deveria ser coordenado confidencialmente, em vez de anunciado por países individuais.

"O que prejudica nossa unidade é uma competição pública para superar uns aos outros", disse ele à câmara baixa do Parlamento, de acordo com um manuscrito de seu discurso.