Em Maceió, Lula cita 'elite perversa' e minimiza drone com veneno

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva fala durante um evento com membros de partidos políticos e movimentos sociais em Porto Alegre, Brasil 1 de junho de 2022. (Foto: REUTERS/Diego Vara)
O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva fala durante um evento com membros de partidos políticos e movimentos sociais em Porto Alegre, Brasil 1 de junho de 2022. (Foto: REUTERS/Diego Vara)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) discursou em um evento de pré-campanha em Maceió (AL) nesta sexta-feira (17) quando criticou o que considera uma “elite perversa” do Brasil. Na ocasião, Lula também minimizou a ação de um drone que despejou veneno no público que o aguardava em Minas Gerais.

"Essa gente pensa que vai assustar a gente", declarou em Maceió (AL).

A referência à elite foi feita logo no início do discurso, quando o ex-presidente afirmou que vai combater a fome e diminuir o desemprego caso seja eleito presidente da República.

"Eu quero voltar à Presidência porque quero provar outra vez, para essa elite perversa, que o país tem jeito. Que ele não precisa ter o desemprego que tem, não precisa de fome, de desnutrição, de tanto analfabeto. Esse país não pode ter desprezo com o povo pobre desse país", afirmou Lula.

O petista discursou em um centro de convenções lotado na capital alagoana e estava acompanhado da cúpula do MDB local: o governador Paulo Dantas, o senador Renan Calheiros e o ex-governador Renan Filho. Lula fez elogios ao senador e também ao ex-presidente José Sarney: "Renan foi presidente do Senado duas vezes, e eu devo muito ao Renan e ao José Sarney, que tem 92 anos. Tem muita gente vendo a história do Sarney pelo avesso. Mas foi o comportamento dele que garantiu que se recuperasse a democracia após 1985."

O ex-presidente também elogiou o ex-governador Renan Filho. "Esse menino provou que Alagoas tinha jeito; que governada com seriedade e respeito, era possível transformar o estado, como está transformado hoje".

Sobre o veneno, o candidato afirmou que já têm conhecimento que um dos suspeitos está de tornozeleira e o outro já tinha cometido crime de estelionato.

"Essa gente pensa que vai assustar a gente. Se pensa que vai ter medo da bravata, de miliciano, que ele não vai passar a faixa. A gente não quer que ele passe, a gente vai tomar democraticamente. Ele vai ter que aprender que a democracia é maior que ele".

O petista também fez inúmeras críticas ao presidente Jair Bolsonaro e à política econômica do atual governo. "Esse presidente nunca se reuniu com governadores, com prefeitos, nunca teve coragem de fazer caminhada a pé, só anda em motociata e de jet sky. Esse país não suporta isso. Essa gente não presta! Não adianta vender a Petrobras, Eletrobrás. Em um governo nosso, quero o estado forte".

Geraldo Alckmin (PSB), candidato a vice-presidente pela chapa, também discursou. Ele defendeu o legado de Lula, citando programas na área de saúde e educação empregados na gestão do então presidente.

Neste sábado (18), a comitiva de Lula fará um ato em Sergipe.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos