Em Manaus, Lula chama Bolsonaro de ‘demente’ por negligenciar oxigênio

Lula chamou Jair Bolsonaro (PL) de demente durante discurso em comício em Manaus (AM). REUTERS/Bruno Kelly
Lula chamou Jair Bolsonaro (PL) de demente durante discurso em comício em Manaus (AM). REUTERS/Bruno Kelly

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chamou Jair Bolsonaro (PL) de demente durante discurso em comício em Manaus (AM). O petista se referiu ao atual presidente por não ter enviado a tempo oxigênio à capital do Amazonas no auge da pandemia da Covid-19. A cidade ficou marcada em janeiro de 2021 pela falta de oxigênio por cerca de 10 dias e cidadãos morreram asfixiados.

"Apesar de o presidente da República ofender tanto a Venezuela, eles mandaram oxigênio que o demente não teve coragem de mandar”, declarou Lula no ato político na noite desta quarta-feira, 31.

No comício, Lula atacou Bolsonaro e declarou que o chefe do Executivo só visitou a capital amazonense para 'fazer motociata'. “Um metalúrgico vai voltar para tratar o povo com a decência que o povo merece. (...) O atual presidente já veio aqui a Manaus, mas fazer motociata. Eu não vim fazer motociata, eu fui visitar a fábrica que os trabalhadores produzem motocicletas”, acrescentou o candidato, que visitou a fábrica da MotoHonda na mesma data.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Fiscalização na Amazônia

O ex-presidente afirmou que aumentará fiscalização na Amazônia. Em campanha pela região Norte, ele declarou que pretende combater o garimpo ilegal na região, assim como o desmatamento. “Nós vamos ser muito duros contra o desmatamento, vamos proibir qualquer garimpo ilegal”, disse o candidato. A medida, segundo o petista, deve ser feita via parcerias e investigação com cientistas a nível global.

"A gente não quer transformar a Amazônia num santuário da humanidade, a gente quer explorar da Amazônia aquilo que a biodiversidade pode oferecer”, afirmou em encontro com deputados e representantes de partidos europeus.