Em 'Mar do sertão', Maruan pede Labibe em casamento: 'Busco uma conexão igual a deles', diz Theresa Fonseca

E quem disse que não tem conto de fadas no sertão? Após muito hesitar, Labibe, personagem de Theresa Fonseca em “Mar do sertão”, voltou atrás no gelo que andou dando em Maruan (Pedro Lamin), após ele mentir ao esconder dela que é um príncipe, fingindo ser pobre. Quase vendo o rapaz partir, ela pediu, ontem, que ele ficasse em Canta Pedra, e os dois engataram um beijo apaixonado. No capítulo de hoje, ele, que vem do principado de Ozul, vai pedir a mão da amada em casamento. E amanhã, o pai dela, Zahym (César Ferrario), enfim aceita a união dos dois.

— Labibe é uma donzela. Sonhadora, corajosa, apaixonada pela vida. Amaria Maruan de qualquer jeito, sendo príncipe ou morador de rua. Ela não liga para convenções sociais, liga para o amor. Foi um encontro de almas. A história deles é pura, delicada e divertida — valoriza Theresa.

Apesar da pureza da personagem, a paixão arrebatadora pelo rapaz a fez se entregar a ele, e os dois já até passaram uma noite juntos. Estreante na telinha, Theresa poderia ter ficado nervosa por encarar suas primeiras cenas quentes da carreira. Mas uma sinusite a preocupou mais do que as sequências íntimas na TV.

— Ela fica com um fogo... Não só sexual, mas também por estar apaixonada pela primeira vez na vida. No Twitter, adorei um comentário que falava que a chama de Labibe estava maior do que a fogueira de São João (risos)! Foi babado gravar essas cenas. Estava com a pior sinusite alérgica que tive em toda a minha vida. Tinha 18 cenas em um dia, e em 12 delas tinha beijo. Foi chocante. Sabe quando você vai na farmácia e só fala: “Me cura?”. Tentei de tudo — diverte-se a jovem atriz ao lembrar, completando: — Deu certo, graças a Deus. Eu estava mais preocupada em estar fanha, espirrar na cara do Pedro... Mas ele é muito gentil, respeitoso, atencioso e me deixou muito confortável.

Pessoal de casa ligadinho

A família, que a acompanha incansavelmente na TV, não teve problema ao vê-la nas cenas, garante ela.

— Eles falam em terceira pessoa, como se não fosse eu. “Menina, adorei ver Labibe beijando Maruan”, me disse um tio-avô. E são os mais inteirados. É até um pouco chocante para eles, mas sabem diferenciar o que é Labibe e o que sou eu — diz Theresa.

Repleta de paixão

Assim como Labibe, Theresa, de 24 anos, vê a vida de um jeito bem apaixonado.

— Para interpretá-la, tive que me conectar com o que tinha de mais puro dentro de mim. Eu me deixo levar pela paixão. Se não tiver esse sentimento pelas coisas, não faço nem um bolo — afirma Theresa, que também busca um amor como o da novela: — Busco uma conexão igual a de Labibe e Maruan, alguém que foi feito para mim. Sonho encontrar uma pessoa com quem eu possa compartilhar a vida, que seja companheira, goste das mesmas coisas que eu. Se isso for ser um príncipe encantado, maravilha!

Única atriz da família

Filha de dois advogados, Marina e João, e formada em Publicidade e Artes Cênicas, a paulista de nascença, fruto de uma família mineira, é a primeira atriz da família.

— Às vezes, fico me questionando de onde eu tirei a ideia de ser atriz. Cheguei a prestar vestibular para Direito. Mas não consegui fugir. Sinto que foi a profissão que me escolheu. Mas sempre recebi muito apoio da minha família — conta ela, feliz com sua primeira novela.

Dança do ventre com professora de 'O clone'

Mãe de Labibe, a libanesa Latifa (Quitéria Kelly) de vez em quando aparece encantando o marido Zahym com a dança do ventre, tradição nos países árabes. Na trama, a jovem solteira ainda não se arriscou na dança, mas Theresa já vem se preparando. Será que vamos vê-la dançando para Maruan, seu futuro marido?

— Tive que fazer aula de dança do ventre por causa da novela. Fui preparada pela mesma professora de Carla Diaz em “O clone”. Até hoje não usei o que aprendi na trama, mas treinar já foi divertidíssimo — conta a atriz, que assume: — Estou louca para ver essa menina dançando. Ainda mais depois da quantidade de aula que fiz. É uma coisa dificílima. Exige um controle do corpo imenso. É uma sedução refinada.

Além da dança, que chegou em sua vida recentemente, Theresa é adepta dos exercícios:

— Depois da pandemia, comecei a ter muita ansiedade. Nunca fui uma pessoa ansiosa, e curei isso com exercícios. Sempre estou treinando, fazendo algum esporte. Gosto de me exercitar para manter a sanidade mental.

A personagem também provocou mudanças físicas na paulista, que é desapegada com o visual:

— Para interpretar Labibe, deixei meu cabelo crescer e estou usando um aplique. Também parei de fazer a sobrancelha. Mas adoro, não vejo isso como problema. Eu gosto de estar sempre mudando e faria qualquer coisa pela personagem, até cortaria o cabelo!