Em meio à crise de Covid-19, Manaus registra 2.435 mortes no mês de abril

RIO - Cidade que virou símbolo nacional do potencial de colapso causado pelo novo coronavírus, Manaus terminou abril com números que chamam a atenção. A capital amazonense registrou 2.435 mortes nos últimos 30 dias. O dado é da Secretaria Municipal de Limpeza e Serviços Públicos (Semulsp). A média do mês foi de 81 enterros diários. antes do início da pandemia, a cidade contabilizava em torno de 30 a cada 24 horas.

Segundo a Semulsp, em abril de 2019 foram 871 sepultamentos. Os números de 2020 mostram um aumento de 179,5%.

A maior parte das mortes está concentrada na segunda quinzena de abril. Desde o dia 19, quando 122 pessoas faleceram, a capital tem computado mais de 100 mortes diárias. Nos últimos 10 dias, foram 1.241, o que corresponde a 49% do registrado em todo o mês. Neste período, a média foi de 124 óbitos diários. Ou seja: superior a quatro vezes mais que antes da crise de Covid-19.

E a previsão da Semulsp é e que o cenário se torne ainda pior em maio. Nas projeções da secretaria, Manaus pode registrar 4.260 mortes no próximo mês. Uma previsão que, se confirmada, representaria um aumento de 75% em relação ao já registrado em abril.

"A projeção da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) leva em consideração o pico de sepultamentos em único dia durante a pandemia, que foi o último domingo, 26, quando 142 sepultamentos foram realizados. Com isso, projeta-se o pior cenário do mês seguinte, que seria a repetição deste pico todos os dias, podendo variar para mais ou menos, conforme as próprias medidas de isolamento social e outras formas de conter a doença", explicou o órgão.

O número de mortes em abril chega a ser seis vezes maior do que o de óbitos por covid-19 em todo o Amazonas divulgado pela Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam). As notificações oficiais apontam que 399 pessoas morreram no estado nos últimos 30 dias.