Em meio à indefinição, Lula diz que 'nunca teve problemas em conviver com as Forças Armadas'

Em Portugal, onde se encontrou com o presidente Marcelo Rebelo de Sousa para uma reunião bilateral, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que não há crise pela indefinição de nomes para integrar o núcleo de Defesa da transição. Ele afirmou que indicará nomes "no momento certo" e frisou que nunca teve problemas em conviver com as Forças Armadas. Como O Globo mostrou, a equipe de Lula trabalha para encontrar nomes que sejam, ao mesmo tempo, alinhados com o seu governo e bem recebidos pelas Forças Armadas.

Sob pressão de policiais: Alesp articula aumento salarial de 50% para Tarcísio e funcionalismo paulista

Veja a lista: Alckmin anuncia Janones, advogado de Lula e ex-ministro tucano para a transição

— Nunca tive problema de conviver com as Forças Armadas. Nunca tive problema com nenhum militar. O comando das Forças Armadas está muito tranquilo, me conhece e no momento certo vou indicar quem será comandante da Marinha, da Aeronáutica e do Exército. Nunca pensei em ter problema e não acredito que eu tenha — afirmou.

Lula prometeu uma definição a partir da semana que vem.

— Não tenho receio e as coisas são criadas a seu tempo. A partir de semana que vem vou assumir coordenação e criar grupos de transição que precisam ser criados. Nunca tive problemas de conviver com as forças armadas. Recuperamos o poder de alimentação dos nossos soldados. Porque soldado sem comer não vale nada. Nunca tive problema com militar nos meus governos e não tô preocupado com o que diz o general Braga Neto. Não me deixo basear com Twitter. Prefiro as notícias serias — completou.

Militares não fazem parte de nenhum outro grupo temático da transição. A indefinição sobre o grupo técnico da Defesa na transição reflete também o desafio que Lula terá para indicar um nome para ocupar a pasta em seu novo governo. Isso porque o escolhido para comandar o ministério terá sob sua alçada o Exército, a Aeronáutica e a Marinha, que ganharam protagonismo sob a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL).

— Teremos uma excelente composição no GT de Defesa, mas só vamos bater o martelo com o presidente. Como ele viajou, teve uma agenda muito pesada, muita coisa acontecendo e repercussão extraordinária da fala dele, vamos aguardar. Não faz diferença nenhuma. É uma instituição secular, organizada, diagnóstica, não tem maiores preocupações em relação a essa agenda — afirmou o coordenador de grupos temáticos, ex-ministro Aloizio Mercadante.

O quebra-cabeça é complexo. De acordo com Mercadante, a formação do núcleo de Defesa ainda não foi anunciada, pois a equipe não está completa.

— Não é fácil compor todos esses grupos com esta complexidade — disse ao GLOBO.

Defesa de ministros do STF

Lula condenou os ataques sofridos por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em Nova York.

— Vi os ataques aos ministros em Nova York e não posso concordar com isso. Meu compromisso é que povo brasileiro volte a conviver com a normalidade. Queremos que volte a reinar a paz. Sem tranquilidade não é possível crescer e distribuir riqueza. Hoje é uma vergonha ter 33 milhões de pessoas passando fome", continua Lula em seu pronunciamento.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, Luís Roberto Barroso aparece sendo seguido por uma mulher pela rua. Nas imagens, é possível ver que o ministro do STF, após ser acuado, pede que ela "não seja grosseira". Alexandre de Moraes também foi atacado enquanto jantava em um restaurante com a mulher, assim como o ex-presidente Michel Temer, hostilizado quando chegava em seu hotel.