Em meio a Ômicron e influenza, SP prorroga uso obrigatório de máscaras até fim de janeiro

·1 min de leitura

SÃO PAULO — O aumento de casos de influenza e o avanço da nova variante do coronavírus, a Ômicron, levaram o governo de São Paulo a prorrogar o uso obrigatório de máscaras no estado até o fim de janeiro.

A obrigatoriedade tinha validade prevista até 31 de dezembro, mas o governo reviu os planos com os desafios persistentes na área da Saúde.

Não foi a primeira vez que o estado teve de voltar atrás na flexibilização da medida. No meio de novembro, o governador de São Paulo, João Doria, chegou a anunciar a intenção do estado de suspender a obrigatoriedade do uso de máscaras já em meados de dezembro.

Mas foi antes de que a Ômicron se espalhasse pela Europa e trouxesse preocupação também ao Brasil. E antes mesmo que a influenza se configurasse como epidemia diante das baixas taxas de vacinação da população este ano.

Ainda nesta segunda-feira, o secretário estadual de saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que o governo estadual avalia acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) se a Pfizer não liberar doses da vacina para crianças do estado.

A possibilidade de judicializar a questão foi anunciada em declaração à GloboNews.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos