Em meio a demissões, QuintoAndar e Loft brigam na Justiça

·2 min de leitura
Briga na Justiça do QuintoAndar e Loft continua, em meio a problemas financeiros
Briga na Justiça do QuintoAndar e Loft continua, em meio a problemas financeiros
  • Caso de concorrência desleal chegou a uma conclusão no Tribunal de Justiça de São Paulo;

  • Loft terá de retirar as fotos copiadas do QuintoAndar do ar, sob risco de multa de R$ 50 mil por dia;

  • As duas empresas passaram nos últimos dias por casos de demissão em massa de funcionários.

Recentemente, as duas startups unicórnios concorrentes (que alcançaram uma avaliação de mercado de US$ 1 bilhão), QuintoAndar e Loft anunciaram uma série de cortes no quadro de funcionários. No entanto, o mau período financeiro não foi uma distração para outra contenda entre as duas empresas.

A QuintoAndar conseguiu no Tribunal de Justiça de São Paulo uma decisão favorável contra a rival, a qual acusa de concorrência desleal. De acordo com os autos, a Loft estaria utilizando fotos de anúncios da QuintoAndar sem sua autorização, o que adicionaria ainda uma acusação de violação de direitos autorais.

O juiz Luís Felipe Ferrari Bedendi ordenou que a Loft interrompa a prática, além de ter estabelecido uma multa diária de R$ 50 mil, caso a empresa não cumpra a decisão. Ainda há a possibilidade do caso ir para 2ª instância.

A Loft, no entanto, contra-argumentou, afirmando que a empresa não utiliza imagens de outras imobiliárias sem a devida autorização. A companhia também afirmou que "em linha com o Marco Civil da Internet, a Loft não é responsável por atos dos anunciantes no uso da plataforma (sejam corretores ou proprietários de imóveis)".

Cortes no quadro de funcionários

Ambas empresas registraram grandes cortes no quadro de funcionários nos últimos dias, chocando o setor de tecnologia brasileiro. A QuintoAndar afirma ter demitido 160 colaboradores, contudo, estimativas não oficiais colocam o número em 800, ou 20% do total de funcionários da empresa.

Já a Loft disse em nota ter desligado 159 funcionários, sendo "a maioria das áreas comercial e de operações", e que outros 52 colaboradores foram transferidos para outras empresas do grupo CrediHome, como a CredPago, Vista e Nomah.

A Facily, empresa que atua como hipermercado digital, também realizou a demissão em massa de seus funcionários. De acordo com uma lista vazada da empresa, cerca de 84 empregados foram desligados, mas estimativas dos próprios colaboradores colocam esse valor próximo dos 200. A ação ocorreu apenas quatro meses após a empresa atingir o status de unicórnio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos