Em meio a rumores de refugio na Argentina, Evo Morales vai a Cuba

Bolivia's former President Evo Morales speaks during a press conference at the journalists club in Mexico City, Wednesday, Nov. 27, 2019. (AP Photo / Marco Ugarte)

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, deixou o México na noite desta sexta-feira (7), em um avião em direção a Cuba, segundo informações publicadas no jornal El Universal, da Venezuela, citando fontes do governo mexicano.

O ex-mandatário boliviano teria partido com a explicação oficial de que iria fazer consultas médicas na ilha caribenha. Ele viajou acompanhado de seu ex-vice-presidente, Álvaro García Linera, e de sua família.

Leia também

Morales vive no México, país que lhe concedeu asilo político, desde que renunciou ao cargo de presidente da Bolívia, no começo de novembro, após pressão das Forças Armadas e protestos intensos nas grandes cidades do país. 

Pela rede social Twitter, Roberto Velasco, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores mexicano, afirmou que, segundo informou Morales, a viagem é temporária. 

Uma fonte do governo eleito argentino, entretanto, confirmou à Folha que estão havendo conversas entre Morales e Alberto Fernández, presidente eleito da Argentina, para que, depois da próxima terça-feira (10), quando este tomar posse, o boliviano possa viajar para o país e pedir refúgio.

"Ele está tentando uma maneira de voltar para a Bolívia, e a Argentina seria o único caminho, já que o Brasil está apoiando Áñez [Jeanine Añez, que se proclamou presidente interina da Bolívia]. Ele sabe que agora que a lei das eleições foi aprovada, sua única chance de fazer uma tentativa é agora. Mas não irá conseguir, já perdeu seu apoio lá dentro", disse à Folha o ex-presidente Jorge "Tuto" Quiroga, que está assessorando Áñez.

Os dois filhos de Morales já estão em Buenos Aires, acolhidos pelo governo de Mauricio Macri. Segundo o jornal El País, porém, Morales não quer fazer o mesmo, e prefere esperar que Fernández, um aliado ideológico, assuma antes de entrar no país.

Morales já havia dito à Folha, em entrevista exclusiva na Cidade do México, que ainda não sabe se ficará no México ou se mudará para a Argentina. Ele também afirmou que pretende voltar à Bolívia, ainda que não seja candidato a presidente. "Não sou nenhum delinquente", disse.

***Da Folhapress