Em meio a queimadas na Amazônia, Bolsonaro destaca agenda contra mudanças climáticas em reunião do Brics

·3 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
  • Em sua fala, presidente destacou um suposto compromisso do Brasil na área ambiental e comercial

  • Mesmo com discurso ambientalista, país vem registrando aumento nas queimadas

  • Crítico da China, Bolsonaro também exaltou parceria com país asiático por insumos de vacinas

Em sua participação na cúpula do Brics realizada nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez acenos aos líderes estrangeiros e destacou compromissos do Brasil na área ambiental e comercial. Em seu discurso, após a abertura do evento, que é realizado de forma virtual, Bolsonaro afirmou que espera que a retomada das atividades ocorra em breve e alinhou o Brasil a pautas de interesse dos outros países em desenvolvimento.

Em seu discurso, o presidente reforçou a mudança de discurso do país em relação à pauta ambiental, destacando o compromisso que já tinha feito na Cúpula do Clima, realizada em abril deste ano. Em agosto, entretanto, o número de queimadas atingiu o terceiro maior índice desde 2010, segundo o Inpe.

Leia também

— Não há crescimento econômico nem progresso social que se sustentem sem a preservação dos recursos naturais, da mesma maneira que um meio ambiente saudável só é possível com oportunidades para todos — afirmou o presidente.

O Greenpeace Brasil destaca que pela primeira vez no mês de agosto, ao menos desde o ano 2000, o Amazonas concentrou o maior número de focos de calor registrados no bioma: foram 8.588, 30% do total. A organização aponta que os números refletem a escalada do desmatamento na região sul do estado. Em seguida está o Pará, que concentrou 28% dos focos.

Bolsonaro reafirmou o compromisso com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Na sua participação na Cúpula do Clima em abril, o presidente colocou como objetivo o fim do desmatamento ilegal até 2030.

— Com uma legislação doméstica atualizada, o Brasil segue comprometido com a referida Convenção-Quadro, com suas Conferências das Partes (COPs) e com o Acordo de Paris. Temos uma Contribuição Nacionalmente Determinada ambiciosa e estamos no caminho de seu cumprimento. Nosso objetivo é aliar crescimento econômico com bem-estar social e preservação ambiental — afirmou.

Bolsonaro defende parceria na OMC

Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images
Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images

No seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro defendeu ainda a posição adotada pelos países do bloco em relação a mudanças nas regras comerciais por meio da Organização Mundial do Comércio. 

Os países do Brics defendem que sejam flexibilizadas as regras de patentes de vacinação. No documento construído pelos países em meio ao evento, a medida foi novamente reforçada.

Em seu discurso, Bolsonaro reafirmou o apoio a "iniciativas que levem à maior produção e distribuição de vacinas, produtos e insumos farmacêuticos nos países em desenvolvido".

— Precisamos de decisões que permitam a rápida disponibilização de vacinas e outros tratamentos para a COVID-19. A cooperação entre detentores de tecnologia e produtores nacionais, especialmente nas nações em desenvolvimento, continua sendo essencial para viabilizar o combate à pandemia — afirmou.

Bolsonaro destacou em seu discurso a tentativa brasileira de alteração da política de subsídios pela entidade. O Brasil historicamente se coloca contra os investimentos de países desenvolvidos para tornar sua produção interna competitiva em relação ao Brasil, dificultando a atuação do país no mercado internacional.

— Ressalto que melhorar as regras sobre subsídios – tanto industriais quanto agrícolas – é fundamental para corrigir distorções e evitar uma “competição predatória” — afirma.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos