Em mensagem de Páscoa, papa Francisco critica gastos com armas em tempos de pandemia

Philip Pullella
·2 minuto de leitura
Pope Francis delivers his Urbi et Orbi blessing, at the Vatican

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco pediu, em sua mensagem de Páscoa neste domingo, que os países acelerem a distribuição das vacinas contra Covid-19, especialmente para a população pobre, e chamou os conflitos armados e os gastos militares durante a pandemia de "escandalosos".

Por conta do coronavírus, este é o segundo ano consecutivo que as missas papais de Páscoa têm a presença de um pequeno público em um altar secundário da Basílica de São Pedro, em vez de multidões na igreja ou na praça do lado de fora.

Depois de celebrar a missa, Francisco leu sua mensagem "Urbi et Orbi" (à cidade e ao mundo), na qual ele tradicionalmente faz uma avaliação dos problemas mundiais e apela à paz.

“A pandemia ainda está se espalhando, enquanto a crise social e econômica continua severa, especialmente para os pobres. No entanto --e isso é escandaloso-- os conflitos armados não acabaram e os arsenais militares estão sendo reforçados”, disse.

O papa Francisco, que normalmente teria feito o discurso para até 100.000 pessoas na Praça de São Pedro, falou para menos de 200 convidados na igreja, enquanto a mensagem era retransmitida para dezenas de milhões em todo o mundo.

A praça estava vazia, exceto por alguns policiais que faziam valer um rígido lockdown nacional de três dias.

O papa pediu a Deus que console os enfermos, os que perderam um ente querido e os desempregados, pedindo às autoridades que deem às famílias mais necessitadas um "sustento decente".

Ele elogiou os trabalhadores médicos, se solidarizou com os jovens que não podem frequentar a escola e disse que todos foram chamados para combater a pandemia.

“Eu peço a toda a comunidade internacional, em um espírito de responsabilidade global, que se comprometa a superar os atrasos na distribuição de vacinas e a facilitar sua distribuição, especialmente nos países mais pobres”, disse.

Francisco, que muitas vezes pediu o desarmamento e a proibição total da posse de armas nucleares, disse: “Ainda há muita guerra e muita violência no mundo! Que o Senhor, que é a nossa paz, nos ajude a superar o mentalidade de guerra."