Em nenhum momento Moro disse que cometi crime, diz Bolsonaro sobre depoimento de ex-ministro

.

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que "em nenhum momento" Sergio Moro disse que ele cometeu crime em entrevista à imprensa pouco após ter sido tornado público o depoimento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública realizado no sábado.

"Eu não interfiro em nada", disse Bolsonaro, na porta do Palácio da Alvorada.

Ao anunciar sua demissão do cargo, no mês passado, Moro acusou o presidente de tentar interferir politicamente na Polícia Federal.

Nesta terça-feira, o presidente disse que não pediu a Moro relatório com informações de "inquérito nenhum". Em sua fala, Bolsonaro mostrou mensagem de celular trocada com Sergio Moro na qual mencionava uma reportagem que narrava uma suposta investigação no Supremo Tribunal Federal de cerca de 10 deputados bolsonaristas.

Segundo o presidente, foi o próprio Moro quem disse que a noticia era "fofoca". Ao fazer essa declaração, ele insinuou que o ex-ministro é quem tinha acesso a investigações da Polícia Federal.

Bolsonaro disse que ainda não leu a íntegra do depoimento de Moro e que vai se reunir com o advogado-geral da União, José Levi, para avaliar o caso.

O STF abriu inquérito para apurar as declarações de Moro de que Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal.


(Reportagem de Ricardo Brito)

  • ESPECIAL-Bolsonaro colocou generais para combater coronavírus, e Brasil está perdendo a batalha
    Política
    Reuters

    ESPECIAL-Bolsonaro colocou generais para combater coronavírus, e Brasil está perdendo a batalha

    SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - Em meados de março, o governo brasileiro tomou medidas que pareciam um ataque poderoso e antecipado contra a pandemia de coronavírus.O Ministério da Saúde determinou que os cruzeiros fossem cancelados.

  • Revista revela motivo da briga entre Kate Middleton e Meghan Markle antes de casamento real
    Entretenimento
    O Globo

    Revista revela motivo da briga entre Kate Middleton e Meghan Markle antes de casamento real

    Publicação também diz que duquesa de Cambridge está se moldando na rainha: 'Impenetrável'

  • Maiores grupos de comunicação do país deixam cobertura do Alvorada por falta de segurança
    Notícias
    Reuters

    Maiores grupos de comunicação do país deixam cobertura do Alvorada por falta de segurança

    A decisão foi tomada na noite de segunda-feira pelas Organizações Globo --que incluem a TV Globo, maior do país, os jornais O Globo e Valor Econômico, e o site G1-- o jornal Folha de S. Também o site Metrópoles, maior do Distrito Federal, anunciou que não fará mais a cobertura.

  • William Bonner sofre campanha de intimidação com uso de dados de sua família, diz Globo
    Negócios
    Folhapress

    William Bonner sofre campanha de intimidação com uso de dados de sua família, diz Globo

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) -A Globo informou nesta terça-feira (26) por meio de nota que o jornalista William Bonner tem sofrido uma campanha de intimidação após um suspeito de fraude ter usado de forma indevida o CPF do filho do apresentador e editor-chefe do Jornal Nacional. A emissora afirma que, após a fraude, o próprio Bonner e sua filha receberam em seus telefones pessoais mensagem de WhatsApp vinda de um número de Brasília com uma lista de endereços relacionados a ele. Na mensagem, estavam listados os números de CPFs dele, de sua mulher, seus filhos, seu pai, sua mãe e seus irmãos. Isso, diz a Globo, "abre a porta para toda sorte de fraudes". "A Globo o apoiará para que os autores dessa divulgação de seus dados fiscais, protegidos pela Constituição, sejam encontrados e punidos. William Bonner é um dos mais respeitados jornalistas brasileiros e nenhuma campanha de intimidação o impedirá de continuar a fazer o seu trabalho correto e isento", diz a nota. "Ele conta com o apoio integral da Globo e de seus colegas e está amparado pela Constituição e leis desse país", completa a emissora. No episódio que envolveu o seu filho, o CPF foi usado para inscrição no programa de auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal a pessoas vulneráveis que perderam a renda durante a pandemia. Embora a renda familiar do filho de Bonner não permita a concessão do benefício, falhas no sistema de checagem aprovaram o pedido do suspeito de fraude. Na última quinta-feira (21), o próprio apresentador e editor-chefe do JN já havia divulgado sobre a ação do suspeito de fraude em uma série de tuítes. "Meu filho não pediu auxílio nenhum, não autorizou ninguém a fazer isso por ele. Mais uma fraude, obviamente", afirmou. Os advogados de Bonner alertaram a Caixa para a fraude e apresentaram notícia crime ao Ministério Público Federal. Em nota à Folha de S.Paulo, Bonner agradeceu o apoio da Globo e dos colegas. "O episódio de ontem não é coisa de fraudadores comuns. Estes fazem a fraude, não a antecipam como ameaça. Como minha única atuação pública é praticar o jornalismo, o propósito de intimidar é claro", afirma o jornalista. "Com o apoio da Globo e dos colegas vamos usar os meios legais para responder a essa campanha e punir os culpados. Envolver a minha família mostra a sordidez de quem está por trás de tudo, seja quem for."

  • Como evitar que seus óculos fiquem embaçados quando você usa máscara
    Notícias
    HuffPost Brasil

    Como evitar que seus óculos fiquem embaçados quando você usa máscara

    Para quem usa óculos, a adoção da máscara trouxe esse probleminha adicional.

  • Troca de farpas marca crise política entre Poderes da República, em meio à pandemia
    Política
    Yahoo Notícias

    Troca de farpas marca crise política entre Poderes da República, em meio à pandemia

    Poderes Legislativo e Judiciário responderam críticas do Executivo

  • Ibiza recebe nuvem de mosquitos tigres-asiáticos, uma das espécies mais mortais do mundo; Espanha teme 'problema de saúde pública'
    Saúde
    Extra

    Ibiza recebe nuvem de mosquitos tigres-asiáticos, uma das espécies mais mortais do mundo; Espanha teme 'problema de saúde pública'

    A Ilha de Ibiza, na Espanha, foi atingida pelos agressivos mosquitos tigres-asiáticos (Aedes...

  • Exame que indicaria se delegado atirou durante briga em que namorada morreu não foi feito
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Exame que indicaria se delegado atirou durante briga em que namorada morreu não foi feito

    Paulo Bilynskyj foi para a cirurgia e exame de detecção de pólvora não foi feito nele, apenas em Priscila Delgado, que, segundo as investigações, cometeu suicídio.

  • Novo método da Prefeitura do Rio para registrar óbitos com Covid-19 exclui 1.177 mortos da estatística
    Notícias
    O Globo

    Novo método da Prefeitura do Rio para registrar óbitos com Covid-19 exclui 1.177 mortos da estatística

    A partir desta terça-feira, serão consideradas na contagem apenas mortes cujos atestados de óbito contêm confirmação de infecção pelo vírus

  • Coronavírus: por que os japoneses com covid-19 se sentem obrigados a pedir desculpas
    Saúde
    BBC News Brasil

    Coronavírus: por que os japoneses com covid-19 se sentem obrigados a pedir desculpas

    No Japão, desculpar-se é um ritual social levado ao extremo, até mesmo em caso de doenças; se o paciente for alguém famoso, o pedido de perdão é quase uma obrigação moral.

  • Mandetta terá 'quarentena remunerada' de seis meses recebendo R$ 31 mil por mês
    Política
    Yahoo Notícias

    Mandetta terá 'quarentena remunerada' de seis meses recebendo R$ 31 mil por mês

    A Comissão de Ética Pública da Presidência da República determinou a quarentena em reunião nesta terça

  • Opositor de Witzel, Freixo mostra preocupação: “indícios de que é uma operação política”
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Opositor de Witzel, Freixo mostra preocupação: “indícios de que é uma operação política”

    Governador do Rio de Janeiro é alvo de mandados de busca e apreensão em operação da Polícia Federal

  • Modelo usado pela Casa Branca eleva para 125 mil projeção de mortes por Covid-19 no Brasil até agosto
    Política
    Folhapress

    Modelo usado pela Casa Branca eleva para 125 mil projeção de mortes por Covid-19 no Brasil até agosto

    No meio de maio, quando o IHME, instituto de métrica da Universidade de Washington, divulgou pela primeira vez dados sobre o Brasil, a previsão era de 88.305 mortes

  • FGTS: saque de R$ 1.045 começa no dia 15 de junho; Saiba quem tem direito
    Tecnologia
    Extra

    FGTS: saque de R$ 1.045 começa no dia 15 de junho; Saiba quem tem direito

    A Caixa Econômica Federal (CEF) está preparando o calendário de mais uma rodada de saques do Fundo...

  • De sucessor oficial de Edir Macedo, ex-número 2 da Igreja Universal vira concorrente
    Notícias
    BBC News Brasil

    De sucessor oficial de Edir Macedo, ex-número 2 da Igreja Universal vira concorrente

    Ex-bispo da igreja Romualdo Panceiro anunciou, em um vídeo nas redes sociais, a criação de sua própria denominação – a Igreja das Nações do Reino de Deus, para concorrer com o antigo aliado.

  • Para Major Olímpio, Bolsonaro se desviou de princípios: “Não sou gado humano”
    Política
    Yahoo Notícias

    Para Major Olímpio, Bolsonaro se desviou de princípios: “Não sou gado humano”

    Em áudio vazado, o senador afirma que não vai mais disputar cargos

  • OMS suspende teste com hidroxicloroquina
    Saúde
    AFP

    OMS suspende teste com hidroxicloroquina

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, nesta segunda-feira (25), que suspendeu ‘temporariamente’ os ensaios clínicos com hidroxicloroquina que realiza com parceiros em vários países, como precaução.

  • Governo de SP desmente plano de reabertura divulgado pela TV Globo
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Governo de SP desmente plano de reabertura divulgado pela TV Globo

    Assessoria informou que o plano oficial será apresentado nesta quarta pelo governador João Doria

  • Sabrina Sato faz sucesso com quadro de famosos no banheiro e confessa: ‘Até arrisco soltar a voz, para desespero da família!’
    Estilo de vida
    Extra

    Sabrina Sato faz sucesso com quadro de famosos no banheiro e confessa: ‘Até arrisco soltar a voz, para desespero da família!’

    Com a casa (e que casa!) cheia nesta quarentena, Sabrina Sato passou a conviver ainda mais com a...

  • Moro diz que se negou a ser papagaio e que Bolsonaro é negacionista sobre coronavírus
    Política
    Folhapress

    Moro diz que se negou a ser papagaio e que Bolsonaro é negacionista sobre coronavírus

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-ministro Sergio Moro (Justiça) acusou neste domingo (24) Jair Bolsonaro (sem partido) de ser negacionista em relação à pandemia do novo coronavírus e disse que sua lealdade ao presidente exigia que discordasse de suas posições e que não fosse um "papagaio". Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, o ex-juiz criticou as substituições realizadas no comando do Ministério da Saúde durante a crise sanitária. Em meio à pandemia, divergências com o presidente sobre o uso do medicamento cloroquina derrubaram os ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. "As substituições no Ministério da Saúde acho que são absolutamente controversas. Claro que o presidente escolhe os seus ministros, mas são substituições bastante questionáveis do ponto de vista técnico", afirmou Moro. O ex-magistrado disse que se sentia desconfortável com a gestão que Bolsonaro faz da crise sanitária. "A posição do governo federal em relação à pandemia é muito pouco construtiva." Para o ex-ministro, o presidente tem uma posição negacionista sobre a crise. Enquanto ainda fazia parte do governo, Moro chegou a defender, em redes sociais, o isolamento social para tentar reduzir a disseminação do novo coronavírus. Segundo ele, em várias reuniões o governo foi alertado para o risco da escalada de mortes na pandemia --que atingiu neste domingo a marca de 22.666 óbitos. Ainda assim, disse, faltou planejamento federal para enfrentar a crise. "Acho que a minha lealdade ao próprio presidente demanda que eu me posicione com hombridade, com o que eu penso, e não apenas concordando com a posição do presidente. Se for assim, não precisa de um ministro, precisa de um papagaio", criticou. Na entrevista, o ex-juiz afirmou que Bolsonaro não se esforçou para implementar uma agenda de combate à corrupção. Como exemplos disso, citou o fato de o governo não ter se empenhado para manter o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) na estrutura do Ministério da Justiça -depois de idas e vindas, o órgão foi parar sob o guarda-chuva do Banco Central. Também afirmou que o presidente não apoiou o pacote anticrime, uma de suas principais bandeiras à frente do ministério, e que não saiu em defesa da prisão após condenação em segunda instância. "Essa interferência na Polícia Federal, a meu ver, vem no âmbito de um contínuo em que eu via essa agenda anticorrupção ser cada vez mais esvaziada", afirmou. "O governo se vale da minha imagem, que eu tenho esse passado de combate ao crime, contra a corrupção, e de fato o governo não está fazendo isso. Não está fortalecendo as instituições para o combate à corrupção", complementou. Moro também criticou as alianças recentes do governo com o chamado centrão, formado por partidos como PP, PL e Republicanos, na base da velha política de apoio em troca de cargos. "Claro que existe todo esse contexto de desapontamento em relação à falta de empenho do presidente em relação à agenda anticorrupção, que envolve agora essas alianças políticas, algumas questionáveis", disse. Moro falou ainda sobre sua saída do Ministério da Justiça e Segurança Pública, atribuída a uma tentativa de interferência de Bolsonaro no comando da Polícia Federal. Segundo ele, o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril é uma prova da ingerência do presidente no órgão. O ex-juiz afirmou ainda não ter se sentido confortável no encontro. Moro anunciou sua demissão no dia 24 de abril, mesmo dia em que foi publicada no Diário Oficial a exoneração de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal. No dia 22 de abril, horas antes da reunião ministerial, Bolsonaro mandou uma mensagem a Moro cobrando a saída de Valeixo. No dia seguinte, Bolsonaro voltou a enviar uma mensagem a Moro falando da troca de Valeixo. Ao citar matéria do site O Antagonista intitulada "PF na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas", Bolsonaro escreveu "Mais um motivo para a troca", se referindo à sua intenção de tirar Valeixo do comando da corporação. Bolsonaro nega que, durante a reunião no Planalto do dia 22 de abril, tenha se referido especificamente à PF em suas falas. Afirma que jamais buscou pressionar Moro para mexer na corporação com o objetivo de influenciar em investigações ligadas a questões pessoais ou familiares. Na última sexta-feira (22), no entanto, foi divulgada a gravação da reunião entregue pelo governo ao STF no inquérito. No vídeo, Bolsonaro se queixa da falta de dados dos órgãos de inteligência e de uma suposta perseguição a irmãos. Daí, faz uma declaração central para o inquérito que apura se ele tentou, de fato, interferir indevidamente na Polícia Federal, especialmente na superintendência da corporação no Rio. "Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui. E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meus, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira", bradou o presidente. Em depoimento, Moro afirmou que Bolsonaro se referia, naquele contexto, à mudança em alguns postos-chave da PF, ante sua preocupação com apurações em curso. O presidente sustenta, contudo, que sua fala era a respeito da troca de equipes do Gabinete de Segurança Institucional, responsáveis por proteger seus familiares, versão que se enfraquece mais ainda com a divulgação do vídeo da reunião. Após a demissão de Valeixo, o primeiro ato da nova gestão da PF foi trocar o superintendente da corporação no Rio. Em outro trecho da reunião, Bolsonaro confirma o interesse em intervir na polícia, mas também em outros órgãos do Executivo. Ele cita "PF" (sigla de Polícia Federal) num contexto de insatisfação com a falta de informações de inteligência. E a relaciona entre os órgãos que seriam objeto de sua interferência. "A pessoa tem que entender. Se não quer entender, paciência, pô! E eu tenho o poder e vou interferir em todos os ministérios, sem exceção." O teor do vídeo e os depoimento em curso são decisivos para a PGR (Procuradoria-Geral da República) concluir se irá denunciar o presidente Jair Bolsonaro por corrupção passiva privilegiada, obstrução de Justiça e advocacia administrativa por tentar interferir na autonomia da Polícia Federal.

  • General Heleno compara Ciro Gomes a Adélio: "Inimputável por ser débil mental"
    Política
    Yahoo Notícias

    General Heleno compara Ciro Gomes a Adélio: "Inimputável por ser débil mental"

    Tuíte de ministro foi resposta a ofensas feitas pelo ex-deputado

  • De 'quebrar Brasil' a 'levar país a desastre', a imagem de Bolsonaro na imprensa internacional
    Política
    BBC News Brasil

    De 'quebrar Brasil' a 'levar país a desastre', a imagem de Bolsonaro na imprensa internacional

    "Quebrar o Brasil" e "levar o país ao desastre" são alguns dos prognósticos associados à atuação do presidente, descrito como um dos raros negacionistas da gravidade da pandemia e tem sua atuação apresentada como uma das piores em todo o mundo.

  • Flavio Bolsonaro ironiza acusações de Witzel e alerta: "Vão descobrir mais coisas a seu respeito"
    Política
    Yahoo Notícias

    Flavio Bolsonaro ironiza acusações de Witzel e alerta: "Vão descobrir mais coisas a seu respeito"

    Filho do presidente da República ainda fez novas acusações contra o governador do Rio de Janeiro, relacionadas ao pagamento de propina

  • Se Deus vier, que venha armado ao Brasil de Jair Bolsonaro
    Política
    Yahoo Notícias

    Se Deus vier, que venha armado ao Brasil de Jair Bolsonaro

    Torcendo e retorcendo, o futuro mais próximo que o presidente é capaz de desenhar é um cenário de terra arrasada de filme de faroeste

  • Notícias
    AFP

    Espanha terá 10 dias de luto por vítimas da Covid-19

    A Espanha vai respeitar 10 dias de luto nacional pelas vítimas do novo coronavírus. O país registrou quase 27 mil óbitos desde o início da pandemia.