Em Niterói, jovem de quarentena se veste de dinossauro para jogar lixo fora na rua; vídeo

Louise Queiroga

RIO — Inspirado por um vídeo gravado na Espanha, em que uma pessoa se vestiu de dinossauro para levar o lixo para fora de casa, um jovem de quarentena em Icaraí, Niterói, na Região Metropolitana do Rio, reproduziu a ideia e também repercutiu nas redes sociais. O post de Gustavo Parago, de 23 anos, recebeu mais de 96 mil visualizações até o momento.

O estudante de Ciências Sociais afirmou ter assistido ao primeiro vídeo no Twitter no início desta semana e, como a publicação estrangeira bombou na web, ele passou a receber muitas mensagens de amigos perguntando se aquela pessoa era ele.

— Porque eu saí com a mesma fantasia no carnaval (vídeo abaixo) e tenho ido aos jogos do Flamengo com ela — explicou. — Falei que não era eu no vídeo, mas prometi a eles que faria a versão brasileira.

Dessa forma, Gustavo, que mora com a avó e a tia, preparou tudo para fazer a gravação na quarta-feira, quando também divulgou em seu perfil no microblog.

— A repercussão foi grande devido a thread que o perfil @Iuzdelfuego fez sobre pessoas saindo vestidas de dinossauro durante a quarentena em todo o mundo — relatou. — Minha família começou a encaminhar meu vídeo pra mim mesmo no WhatsApp e os avisei que era eu mesmo — completou, em meio a risadas.

O jovem contou que está em isolamento social desde segunda-feira, dia 16.

— E mesmo assim vou ao banheiro pra lavar a mão de hora em hora — acrescentou.

Além de se vestir de dinossauro nas horas vagas, Gustavo compartilhou o que tem feito dentro de casa para aliviar o estresse causado pela quarentena em meio à pandemia do novo coronavírus.

— Estou vendo séries, escutando música, conversando com os amigos por chamada de vídeo, lendo os livros pro meu TCC — disse rindo bastante. — E, principalmente, vendo BBB com minha tia e minha avó!

Faz pouco tempo inclusive que o estudante mora em Icaraí. Ele se mudou para o bairro da Zona Sul de Niterói no último dia 12. Apenas três dias depois, ele se prontificou a fazer compras de mercado do mês "por saber da gravidade do problema que estamos enfrentando", justificou.

— Passei a morar com a minha tia e a minha avó que já são aposentadas e não trabalham mais, portanto tenho tomado o máximo de cuidado pois elas são do grupo de risco — disse.