Em noite de pouco futebol, Flamengo fica no 0 a 0 com o Fortaleza, no Castelão

·2 minuto de leitura
Foto: Divulgação/Flamengo

Com uma atuação muito abaixo do esperado, o Flamengo ficou no 0 a 0 com o Fortaleza, neste sábado, no Castelão, e foi ultrapassado pelo Atlético-MG na vice-liderança do Brasileirão. O time chegou a 49 pontos, mesma pontuação dos mineiros, que têm uma vitória a mais (12 a 11).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Num jogo em que o técnico conhece bem o adversário e vice-versa, o confronto entre Fortaleza e Flamengo teve um primeiro tempo em que as forças e fraquezas das equipes se anularam. O time cearense sabedor da intensidade imposta por Rogerio Ceni se trancou na defesa à espera do contra-ataque. Mas com um formação de pouca mobilidade mal conseguiu chegar ao gol de Hugo, substituto de Diego Alves, que sentiu dores musculares.

Um Flamengo lento também não conseguiu furar o bloqueio cearense. A pouca participação dos laterais, mais presos na marcação, e Everton Ribeiro sumido no jogo resumem por que o time só chutou quatro vezes a gol na etapa inicial. Ainda assim, o Rubro-Negro teve chance de abrir o placar. Pedro recebeu, matou no peito, limpou a jogada e foi derrubado por Jackson. Pênalti marcado.

Leia também:

Durante a discussão dos jogadores do Fortaleza com a arbitragem, as câmeras da TV flagraram o volante Ronald cavando a marca do pênalti. Coincidência ou não, Pedro escorregou no momento da cobrança, deu dois toques na bola e o gol não valeu. Ainda houve reclamação da invasão de jogadores adversários.

Para abrir o ferrolho do Fortaleza e se manter próximo do líder São Paulo, Rogerio Ceni fez apenas uma mudança no intervalo. O intuito era não correr riscos de perder um jogador como acontecera contra o Bahia. Como Isla havia recebido cartão amarelo no início do primeiro tempo e cometera outras faltas perigosas, o lateral deu lugar a João Lucas.

O Rubro-Negro, no entanto, não conseguiu imprimir mais velocidade, nem compactar o time. Rogerio Ceni reclamava do gramado do Castelão. O amplo domínio de posse de bola também não se transformava em muitas oportunidades de gol. Na melhor delas, Pedro teve a chance, mas o goleiro fez boa defesa e ninguém aproveitou o rebote.

O time carioca ainda correu algum risco com o excesso de faltas próximas à grande área. Mas o zero no placar persistiu até o fim.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos