Em Nova Iguaçu, moradores cobram obra parada de viaduto prometida há mais de 15 anos

Cíntia Cruz
1 / 2

87365105_CI-Rio-de-Janeiro-RJ-05-03-2020-BX-Moardores-do-Bairro-de-Austim-em

Obra do viaduto está parada há mais de um ano

Em Nova Iguaçu, uma obra que foi prometida há mais de 15 anos e que nunca saiu do papel causa angústia nos moradores. Anunciado em 2004, o viaduto de Austin garantiria a segurança na circulação de veículos sobre a passagem de nível. A estrutura deveria ligar a Avenida dos Inconfidentes à Avenida Coronel Monteiro de Barros. A construção foi licitada em 2006, mas a empresa vitoriosa não iniciou os trabalhos. Após um protesto de moradores, as placas de início das obras — 2010 — foram instaladas.

O viaduto daria fim à travessia de pedestres e veículos pela passagem de nível. Morador da localidade conhecida como Morro do DPO, que fica ao lado do viaduto, David de Lima, de 30 anos, conta que muitos acidentes já aconteceram na região:

— Essa obra precisa terminar logo. Será importante para evitar mais acidentes. Há pouco tempo, morreu um jovem atropelado pelo trem. Precisam dar um fim nisso.

Esse é o receio da dona de casa Taynara Rodrigues da Silva, de 27 anos. Ela, que mora na Rua Solimões, ao lado das obras, teme ser mais uma vítima no bairro.

— Me arrisco todos os dias com meu marido e nosso filho para atravessar a linha férrea. Seria importante esse viaduto ali tanto para o pedestre quanto para o motorista — diz.

A construção do viaduto foi orçada em R$ 18 milhões. As obras foram retomadas em 2018, mas pararam novamente no ano passado. Sem funcionamento, o canteiro de obras virou mais um espaço abandonado.

— Depois que os agentes do Segurança Presente vão embora, acontecem vários roubos no local. Além de ser um lugar escuro, fica cheio de usuários de drogas — disse um morador, que preferiu não se identificar.

Por nota, o DER informou que as obras do viaduto de Austin continuam sendo auditadas pelo departamento. Diz ainda que “durante a auditoria, o órgão encontrou erros no projeto de engenharia do viaduto. Segundo o órgão, que não deu um prazo para finalizar o viaduto, o objetivo desta ação é confirmar se os serviços efetuados estão de acordo com as planilhas existentes à época da licitação da obra.