Em nova política antidrogas, Peru planeja comprar toda produção de folhas de coca

Cultivos de coca no Peru (AFP/Gustavo IZUS) (Gustavo IZUS)

O governo do Peru planeja comprar a colheita nacional de folhas de coca e criar um novo registro de produtores como parte de uma nova política antinarcóticos em um dos maiores países exportadores de cocaína do mundo.

O plano contempla também a desmilitarização do vale cocaleiro do país e a transferência destas tropas à região de Madre de Dios, onde milhares de garimpeiros ilegais desmatam a floresta amazônica, e ao rio Putumayo, na fronteira com a Colômbia, onde operam grupos de traficantes de drogas do país vizinho.

A iniciativa foi delineada na quarta-feira pelo chefe de gabinete, Aníbal Torres, em uma sessão extraordinária do Conselho de Gabinete efetuada em Samugari, no Vale dos Rios Apurímac, Ene e Mantaro, conhecido pelo acrônimo VRAEM.

Neste vale militarizado em 2006 operam remanescentes da guerrilha maoísta do Sendero Luminoso em aliança com grupos de narcotraficantes, segundo a polícia.

"É indispensável, ao menos durante um ano, comprar a folha de coca dos atuais produtores assentados e daqueles que definir o novo registro a construir", disse Torres.

Ele acrescentou que o governo promove um "pacto social cidadão" com os cocaleiros para garantir uma política adequada antidrogas até 2030.

- "Mensagem perigosa" -

No entanto, a tarefa não parece fácil, pois requer grandes recursos, e de imediato surgiram vozes críticas ao anúncio de Torres, entre elas de ex-ministros do Interior.

"A mensagem que o governo está dando é que está legalizando a folha de coca e que vai comprar a folha de coca ilegal. A mensagem é 'semeie coca', e é muito perigoso porque estamos falando de uma matéria-prima usada pelo narcotráfico", disse à AFP o ex-ministro do Interior Rubén Vargas.

Ao promover o cultivo de folha de coca "obviamente o camponês terá dois mercados: o estatal, que o governo está promovendo, e o narcotráfico. Os danos que serão provocados são incomensuráveis, não apenas ambientais, mas à governabilidade do país", acrescentou o ex-ministro do governo interino de Francisco Sagasti (2020-2021).

"Criar um novo registro de produtores faz parte de uma típica manobra do narcotráfico para se legalizar", disse à AFP Fernando Rospigliosi, ex-ministro do Interior do presidente Alejandro Toledo (2001-2006).

O registro de cocaleiros existe desde 1978 e consiste de uma relação dos camponeses com suas respectivas parcelas dedicadas ao cultivo legal da folha de coca.

Há mais de quatro décadas eles vendem sua produção à empresa estatal da coca (Enaco), única entidade autorizada a adquirir o cultivo.

A adoção do registro, em 1978, faz parte da estratégia que o Peru aplica e inclui a erradicação forçada dos cultivos ilegais de coca.

"Se você abrir o registro, entrarão todos os que produzem folhas para o narcotráfico porque ao se mudar a lei há mais base para legalizar os cultivos", adverte Rospigliosi.

Segundo o ex-ministro, aproximadamente 95% do total da produção cocaleira peruana destina-se ao narcotráfico. O restante é usado em produtos como chás, caramelos, farinha e energizante através da mastigação da folha.

Mastigar folhas de coca é uma tradição ancestral andina para combater o cansaço, tanto no Peru quanto na Bolívia.

No Peru há cerca de 400.000 produtores de coca ilegais, além de 95.000 incluídos no registro de produtores, que vendem suas colheitas à Enaco, segundo dados oficiais.

Estima-se que haja no país cerca de 62.000 hectares de cultivos da folha e a produção nacional beiraria as 160.000 toneladas, das quais a Enaco compra atualmente apenas 2.500. A empresa paga 100 soles (26 dólares) pela arroba (de 11,24 quilos), segundo veículos de imprensa locais.

De acordo com a ONU, Peru, Colômbia e Bolívia são os maiores produtores mundiais de folha de coca e cocaína.

Calcula-se que a produção peruana seja de cerca de 400 toneladas anuais de cocaína. Em 2021, mais de 84 toneladas de drogas foram apreendidas e incineradas, segundo a polícia.

- Apreensões -

Em 18 de abril, as autoridades começaram a incinerar mais de 16,3 toneladas de drogas ilegais apreendidas nos últimos quatro meses.

A queima, que se estenderá até o domingo, inclui 6,2 toneladas de pasta básica de cocaína, 4,6 toneladas de cocaína e 5,4 toneladas de maconha, assim como menores quantidades de papoula e ópio.

"A droga e o narcotráfico destroem e arrebatam nossa liberdade. Não se deve ceder nenhum espaço ao narcotráfico e a qualquer atividade ilícita", disse Castillo, que assistiu à primeira queima.

cm/fj/ljc/ltl/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos