Shopee anuncia fim das operações em quatro países da América Latina

A Sea, controladora da companhia, já comunicou aos funcionários dos quatro países sobre o fim das atividades (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
A Sea, controladora da companhia, já comunicou aos funcionários dos quatro países sobre o fim das atividades (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Shopee anunciou encerramento de suas operações em quatro países;

  • No caso de Chile, Colômbia e México, haverá ao menos atendimento internacional;

  • Empresa teria desistido de contratar dezenas de novos funcionários nas últimas duas semanas.

Depois de suspender a contratação de novos colaboradores, a Shopee anunciou o encerramento de suas operações em quatro países: Chile, Colômbia, Argentina e México.

No caso de Chile, Colômbia e México, haverá ao menos atendimento internacional. Na Argentina, o atendimento foi integralmente encerrado.

A Sea, controladora da companhia, já comunicou aos funcionários dos quatro países sobre o fim das atividades. Em e-mail aos colaboradores, o presidente da Shopee, Chris Feng, afirmou que a medida era necessária para “focar recursos nas operações principais”.

Desistência de contratações

Ao que tudo indica, a Shopee teria desistido de contratar dezenas de novos funcionários nas últimas duas semanas. De acordo com a Reuters, a empresa decidiu não aumentar o time de colaboradores repentinamente.

A agência diz que ouviu relatos de quatro informantes que participaram de um grupo no WeChat de cerca de 60 pessoas que foi criado para discutir o fechamento das vagas da Shopee.

As fontes dizem que esse movimento acontece após a controladora relatar prejuízos crescentes e crescimento de receita acentuadamente mais lento.

“Devido a ajustes nos planos de contratação de algumas equipes de tecnologia, várias funções na Shopee não estão mais disponíveis. Estamos trabalhando em estreita colaboração para apoiar os impactados”, disse um porta-voz da empresa", informou a Sea, controladora da companhia.

Mesmo que uma ação legal tenha sido discutida no WeChat, as pessoas impactadas não devem utilizar vias judiciais. “O custo de uma ação legal é muito alto. Eu só quero seguir em frente e encontrar um novo emprego”, afirmou uma das quatro pessoas entrevistadas pela Reuters, que pediram anonimato. Ou seja, a empresa pode sair impune da situação.

O Ministério do Trabalho de Cingapura informou que as autoridades estavam cientes das reclamações em relação à Shopee e que estava em contato com a corporação para obter mais informações.