Em operação contra AutiBank por golpes e pirâmide financeira, manuais para abordar vítimas são apreendidos

A Polícia Civil realiza, na manhã desta quinta-feira, uma operação contra o AutiBank, suspeito de estelionato e de organizar um esquema de pirâmide financeira a nível nacional. A primeira fase da ação Quimera cumpre 12 mandados de busca e apreensão em endereços ligados à empresa na cidade do Rio e em Niterói. Agentes apreenderam celulares e documentos, entre eles, cadernos onde estão os roteiros de como os clientes deveriam ser abordados.

Caso Henry: Jairinho e Monique vão a júri popular por homicídio e são absolvidos por fraude; entenda a decisão

Jairinho: ex-vereador recupera registro de médico, mas processo no Cremerj avalia cassação

O AutiBank, que se apresentava como banco digital, prometia aos clientes investimentos com retorno muito acima dos praticados pelo mercado, mas deixou de fazer os pagamentos no início deste ano. A polícia estima que apenas no estado do Rio o prejuízo tenha sido de milhões de reais por meio do golpe em dezenas de vítimas.

O niteroiense Yuri Medeiros Correa, que fundou a empresa em 2020, é réu no Ceará por estelionato desde agosto do ano passado. Ele passou a ser alvo também do inquérito na DDEF e de outros registros de ocorrência feitos em delegacias distritais do Rio. Na esfera cível, a empresa também passou a ser alvo de diversas ações judiciais movidas por clientes em busca de ressarcimento, nas quais o grupo é recorrentemente acusado de ter montado uma pirâmide financeira de proporções nacionais.

No material apreendido nesta manhã, cadernos trazem o roteiro que os funcionários da empresa seguiam para convencer os clientes a entrarem no esquema. Uma das anotações diz: "Tem que ser objetivo. Ser direto!".

Morto a tiros: ‘O mundo das artes marciais perdeu o jovem que sonhava em lutar no UFC’, diz mestre de lutador morto durante ação policial na Zona Norte

Antes de a empresa oferecer o serviço, a situação do cliente em potencial é analisada. "Pensionista inativos e negativos, não ligar", diz uma das anotações. O principal alvo são aposentados, pensionistas, militares e servidores de modo geral, que possuem margem maior no consignado, modalidade na qual o desconto é feito na folha de pagamento. Em outra anotação, um lembrete: "soldado e cabo, não fazer!".

O esquema

O acordo funciona assim:

funcionários da empresa buscam por clientes dentro do perfil (aposentados, pensionistas, militares e servidores de modo geral)

o cliente é convencido a repassar o valor obtido à empresa, que se compromete, mediante um termo de "negociação de dívida", a assumir as prestações, quitando o montante total após seis meses, que podem ser renováveis por outros seis

além disso, um rendimento de 12% sobre o valor do empréstimo, dividido em seis vezes, é entregue mensalmente ao contratante. Não há, em nenhuma cláusula dos contratos aos quais O GLOBO teve acesso, qualquer referência às transações que são realizadas para garantir a lucratividade da operação

os clientes recebiam as primeiras parcelas e então os pagamentos cessavam

com o desconto do empréstimo direto da folha de pagamento, as vítimas ficavam com as dívidas, que chegam a ultrapassar R$ 300 mil em alguns casos

Ataques a bancos: Polícia Federal prende suspeito de assalto a agências bancárias com uso de explosivos

AutiBank: fundação em 2020

Fundado no início de 2020, o AutiBank cresceu rapidamente e, pouco mais de um ano depois, já tinha unidades físicas espalhadas pelas cinco regiões do país. No ano passado, em uma ofensiva para aumentar a captação de clientes, a empresa bancou apresentações ao vivo de grandes nomes da música, como Gusttavo Lima, Barões da Pisadinha, Leonardo e Bell Marques, entre outros. Em dezembro, Yuri chegou a receber uma homenagem na Câmara de Vereadores do Rio.

Sem nenhum registro como instituição bancária no Banco Central, embora se apresente como banco digital, o AutiBank atua persuadindo pessoas a contraírem empréstimos junto a bancos tradicionais.