Em 'oração inclusiva' no Congresso dos EUA, democrata termina prece com 'amen' e 'awoman'

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O pastor e deputado democrata Emanuel Cleave encerrou a oração de abertura da nova legislatura do Congresso dos Estados Unidos, no domingo (3), com as palavras "amen and awoman" —numa tradução literal, o homem e a mulher—, no que parece ser uma tentativa de neutralidade em termos de gênero. A palavra amém, em latim, significa "assim seja" e é usada no fim de orações para expressar a ideia de concordância plena com um artigo de fé. Cleave publicou o vídeo de sua oração no Twitter e foi criticado, especialmente por republicanos e apoiadores do partido. "Amén não é uma palavra com gênero. Infelizmente, os fatos são irrelevantes para os progressistas. Inacreditável", escreveu o congressista pela Pensilvânia Guy Reschenthaler. Donald Trump Jr., filho do atual presidente, também ironizou a escolha de palavras de Cleave. "A mulher, o homem e um padre entram em um bar", publicou ele numa rede social. A declaração ocorreu após um comitê ter proposto a alteração de algumas regras no Congresso para equiparar a linguagem, tornando-a mais inclusiva e neutra. A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, sugeriu eliminar as referências a gênero e estabelecer um escritório de diversidade e inclusão na Casa. A democrata foi reeleita líder da Câmara no domingo, superando Kevin McCarthy, deputado pela Califórnia e líder dos republicanos. A preocupação com questões de gênero foi também uma marca da campanha que elegeu Joe Biden e Kamala Harris, a primeira mulher negra a ocupar o posto de vice-presidente. Durante a transição, os eleitos escolheram nomes que oferecem maior diveridade a cargos de alto escalão do governo, tradicionalmente ocupados por homens brancos -o democrata nomeou, por exemplo, Avril Haines como a primeira mulher a servir como Diretora de Inteligência Nacional e Jannet Yellen à frente da Secretaria de Tesouro.