Em primeira aparição antes de discurso, Lula manda recado em vídeo; assista

Reprodução

Em sua primeira aparição nas redes sociais após deixar a carceragem da PF em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva postou um vídeo nas redes sociais em que brinca com a idade e diz que está livre "para ajudar a libertar o Brasil dessa loucura que está acontecendo no país".

Lula se dirigiu aos seguidores por meio de suas contas no Instagram e no Twitter. Agradeceu a solidariedade e disse ser "um senhor muito jovem": "Tenho 74 anos do ponto de vista biológico, mas 30 anos de energia e 20 anos de tesão. Só para ficarem com inveja desse jovem que está falando com vocês".

Leia também

O vídeo tem menos de um minuto e já bateu mais de um milhão de visualizações. "Quero agradecer do fundo do coração toda a solidariedade de vocês. E dizer que estou livre para ajudar a libertar o Brasil dessa loucura que está acontecendo no país. É preciso cuidar da educação, do emprego, do salário, da cultura, do prazer e da alegria", afirmou. "Aliás, a juventude não vive se não tiver prazer, motivação de vida, e é isso que temos que oferecer pra vocês".

Lula participará neste sábado de um ato em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. Foi lá que o ex-presidente foi preso, há 581 dias.

Ontem à noite, Lula participou de uma festa organizada para ele no apartamento de um amigo em Curitiba, horas após ser solto. Na ocasião, encontrou o ex-ministro José Dirceu, também liberado ontem em Curitiba. Os dois receberam alvará de soltura na sexta-feira, depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a prisão de condenados em segunda instância.

Condenado pela primeira vez na Lava-Jato em junho de 2017, o ex-presidente estava preso desde 7 de abril de 2018 na capital paranaense, onde cumpria pena de 12 anos e um mês de prisão relativa ao processo do tríplex do Guarujá.

Em abril de 2019, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reduziu a pena de Lula para oito anos e dez meses. Além disso, o petista responde à acusação de ter sido beneficiado por reformas em um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. Nesse processo, o petista já foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses de prisão. Resta ainda o julgamento no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que é responsável por julgar os casos de condenações da primeira instância.

Da AGÊNCIA O GLOBO