Em primeira eleição sem coligação para vereador, PP, PSD e DEM ampliam vagas nas câmaras municipais

Marlen Couto
·2 minuto de leitura
Brenno Carvalho / Agência O Globo
Brenno Carvalho / Agência O Globo

RIO — Assim como ganharam espaço nas prefeituras, partidos do centrão também ampliaram o número de vereadores eleitos na disputa municipal de 2020, de acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O MDB segue como partido com maior representação nas Câmaras, mas registra redução no total de vereadores eleitos, enquanto siglas como PP, PSD e DEM ganharam vagas.

Os números devem mudar até a consolidação final do resultado. Apenas 51,3 mil vagas foram anunciadas de um total de 58,2 mil em todo o país.

As eleições municipais marcam uma mudança significativa na contabilização de votos da disputa para vereadores. Foi o primeiro pleito sem coligações para o cargo, regra aprovada em 2017. Dessa forma, ps votos computados pelos concorrentes só podem ser contabilizados para seu respetivos partidos no cálculo do coeficiente eleitoral. Por enquanto, quatro siglas não elegeram nenhum candidato: PSTU, UP, PCO e PCB.

Sem que todas as vagas estejam definidas, o PP registra alta de 20% no total de eleitos e soma 5.682 vereadores, ficando em segundo lugar no ranking de partidos. Em 2016, estava na terceira posição, atrás do PSDB, que está agora na quinta posição. O PSD teve alta de 12% e o DEM, de 28% — este último ocupava a nona posição há quatro anos e agora tem o quarto maior número de vereadores.

Entre os maiores partidos, o PSDB é aquele que registra maior queda. Por enquanto, a sigla tem redução de 33%, de 5,3 mil candidatos eleitos para 3,5 mil. PT e PDT também registram leves quedas, mas os números ainda podem mudar com o avanço da apuração.

Já o PSL até conseguiu aumentar o número de vereadores em relação a 2016, de 878 para 1.088, mas está longo do topo do ranking de siglas com maior representação e do desempenho registrado em 2018, quando elegeu governadores na onda bolsonarista. Partidos mais ideológicos como PSOL e Novo também cresceram, mas, com cadeiras concentradas no Sudeste, seguem na lanterna no ranking nacional.