Em prisão domiciliar, Crivella entra na Justiça para ir ao sepultamento da mãe

Paulo Capelli
·1 minuto de leitura
Foto: Reprodução

A defesa de Marcelo Crivella entrou na Justiça com um pedido para que o prefeito afastado do Rio possa acompanhar o sepultamento da mãe. Aos 85 anos, Eris Bezerra Crivella morreu nesta segunda-feira em seu apartamento, em Copacabana, na Zona Sul. A causa da morte ainda não foi revelada.

Crivella, que segue em prisão domiciliar, era o único filho de dona Eris, que teria morrido enquanto dormia. O enterro é previsto para quarta-feira no cemitério do Caju.

Advogado do prefeito afastado, Alberto Sampaio informou que já ingressou na Justiça com um pedido para que Crivella possa deixar a prisão domiciliar e acompanhar o sepultamento da mãe.

— Trata-se de um pedido simples, que pode atender tanto a quem está preso após julgamento quanto a quem está preso de forma preventiva, como é o caso. Protocolizei esse pedido agora há pouco.

Investigado pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) no caso que ficou conhecido como "QG da Propina", que apura supostos esquemas ilícitos na prefeitura, Crivella está preso preventivamente desde o dia 22 de dezembro e precisará de autorização judicial para ir ao enterro da mãe. A decisão cabe ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).