Em prisão domiciliar, traficante Marcelo PQD rompe tornozeleira e pode ser preso novamente

O traficante Marcelo Soares Medeiros, conhecido como Marcelo PQD, terá que se explicar à Justiça após problemas com sua tornozeleira eletrônica. Relatório de monitoramento enviado pela Secretaria de Administração Penitenciária do Rio (Seap) de março deste ano atesta que PQD, antigo chefe do tráfico no Morro do Dendê, na Ilha do Governador, rompeu o equipamento quatro vezes em um mesmo dia e deixou a bateria acabar outras duas vezes. No dia 8 de abril, o juiz da Vara de Execuções Penais do Rio (VEP), Leonardo Rodrigues da Silva Picanço, determinou que o traficante fosse intimado para que comprovasse, no prazo de cinco dias, que tinha comparecido ao patronato da Seap para justificar as violações, "sob pena de expedição de mandado de prisão".

Recorde: Número de furtos de celular no Rio é o maior em duas décadas

Falso delivery: Bandidos se passam por entregadores de aplicativo para cometer assaltos no Rio

O mandado para intimar PQD sobre a decisão só foi expedido no dia 11 de maio. Em 30 de maio, o oficial de Justiça esteve em um endereço do traficante na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, mas foi informado por uma mulher de que ele não morava mais no local. Ela afirmou que o advogado de PQD já tinha informado no processo sobre a mudança de endereço.

Crime no Flamengo: Justiça decreta prisão preventiva de pintor

Entrada facilitada: Pintor preso por morte de idosa e diarista já tinha trabalhado para outros moradores do mesmo prédio

PQD foi solto em agosto do ano passado, após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ter concedido a ele a progressão para o regime aberto. Como há apenas uma casa de albergado no Rio, unidade para cumprimento desse tipo de regime, a Justiça determinou que PQD ficasse em prisão domiciliar monitorado por tornozeleira eletrônica.

Aumento de agressões: Violência contra mulheres trans explode no Rio e chega a quase um caso por dia

Alegando falta de equipamento, o traficante demorou seis meses para instalar a tornozeleira, o que só ocorreu em fevereiro deste ano. De acordo com o relatório da Seap ao qual o GLOBO teve acesso, PQD colocou a tornozeleira em 11 de fevereiro e no mesmo dia há a constatação de que o aparelho rompeu quatro vezes. No mês seguinte, nos dias 8 e 15, o equipamento ficou sem bateria.

Recorde: Número de furtos de celular no Rio é o maior em duas décadas

Procurada pelo GLOBO, a Seap informou que PQD não procurou o patronato para corrigir qualquer problema com a tornozeleira. A secretaria não informou, no entanto, se o traficante está usando o equipamento corretamente atualmente.

Pedido de resgate: Três homens são presos por sequestro de filho do traficante Marcelo PQD

PQD estava preso desde junho de 2007, quando foi capturado numa casa no entorno do Dendê. Ele se preparava para tentar retomar a favela, já sob o domínio de Fernando Gomes de Freitas, o Fernandinho Guarabu.O criminoso foi traído por Guarabu e perdeu o comando do Dendê em 2003, quando estava atrás das grades.

Dengue tipo 2: Rio tem aumento de 300% no número de casos até o início de junho

Com a morte de Guarabu, em junho de 2019, o Dendê passou a ser comandado por dois de seus aliados e PQD retomou seus planos de tentar retomar o comando da favela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos